Retrofit: o que é, como funciona e exemplos no Brasil

Tudo sobre o Retrofit, uma técnica que alia tecnologia com materiais de qualidade para recuperar prédios antigos, preservando sua arquitetura original

Por Yeska Coelho Atualizado em 28 Maio 2021, 08h04 - Publicado em 18 Maio 2021, 10h00
Pinacoteca do Estado de São Paulo
Pinacoteca do Estado de São Paulo Nelson Kon/CASACOR

O Retrofit surgiu como uma forte tendência para recuperar prédios antigos na Europa e até os dias de hoje é uma solução bastante buscada. Não é à toa que muitos países começaram a trabalhar com a técnica, e hoje, mesmo no Brasil, escritórios de arquitetura e design de interiores lançam mão desse trabalho como especialistas no assunto.

Trabalhar com Retrofit, no entanto, não é assim tão simples. É preciso investir em tecnologia junto a materiais de qualidade, e no caso da primeira, é algo que poucos profissionais estão habilitados. Outro ponto de atenção é que o estilo arquitetônico do prédio não deve se perder, logo, trata-se de revitalizar, podendo ter toques de inovação, mas preservando o estilo adotado inicialmente.

A vantagem de incorporar o Retrofit é uma questão que vai além da estética. Trata-se da preservação de prédios históricos e espaços urbanos, uma relação direta com a segurança da população e também o sentimento de ver um monumento “novo”.

O que é Retrofit?

 

Estádio do Maracanã Retrofit
Estádio do Maracanã Fernandes Arquitetos Associados/CASACOR

O Retrofit é um processo que tem por objetivo restaurar prédios antigos de forma a preservar a arquitetura original, e também adequá-lo à legislação vigente.  É feita uma reforma com materiais de alta qualidade e super resistentes para manter o edifício como um espaço seguro e arrojado.

Em relação à legislação, esse talvez seja o ponto mais importante que o Retrofit deve atuar. Afinal, pense bem, as leis possuem certa volatilidade, e muitas vezes prédios novos precisam passar por pequenas mudanças para se adequar. Imagina um monumento antigo? Muito mais problemas.

Apesar de parecer apenas burocracia, a verdade é que adequar esses prédios também é uma forma de torná-los mais seguros.

Na prática, os profissionais responsáveis por um projeto de Retrofit devem planejar o edifício como qualquer outro, no entanto, com o desafio de preservar a sua arquitetura original. Alguns exemplos dessa técnica são:

  • Retrofit de fachada: renovação total ou parcial da fachada do prédio, adequando-o às condições externas ambientais, fazendo uso de materiais de alta qualidade e pintura nova;
  • Renovar instalação elétricas;
  • Adequar o sistema hidráulico;
  • Repaginar as estruturas e revestimentos (alvenaria, acabamento interno e externo, fundação, etc.).

Vantagens do Retrofit

 

Investir em Retrofit traz diferentes benefícios, especialmente para os centros urbanos nas grandes metrópoles. É uma maneira de modernizar a região e tirar o aspecto de “abandono” do espaço. O que oferece grande prestígio e até mesmo satisfação da população.

Edifício Galeria
Edifício Galeria, Rio de Janeiro Divulgação/CASACOR

Outro benefício é tornar o espaço mais seguro e com a possibilidade, no caso de edifícios desocupados, de dar nova forma para eles. Ou seja, depois de reformado o prédio pode ter uma nova atribuição e servir com o seu papel social para a cidade.

Apesar de falarmos bastante em prédios, a verdade é que o Retrofit pode revitalizar casas antigas e históricas ou até mesmo praças, que posteriormente são reabertas para oferecer lazer para os moradores da região.

Diferença entre Retrofit e Reabilitação

 

Edifício Martinelli Retrofit
Edifício Martinelli Divulgação/CASACOR

Apesar de serem conceitos de fato muito próximos (o que justifica a confusão), o Retrofit e a Reabilitação são conceitos distintos. Entenda as diferenças a seguir:

A Reabilitação é atribuída em situações que o prédio passará por mudanças que alteram a memória do prédio, ou seja, sua arquitetura não é preservada. Além disso, nesses casos, o prédio costuma receber nova atribuição depois. Renovação, remodelação, requalificação, entre outros nomes podem ser atribuídos a essa técnica.

Já o Retrofit tem um caráter mais profundo, pois além de renovar os espaços de acordo com a legislação e as necessidades de conservação, precisa contar com um projeto que preserve a arquitetura original, para cumprir com o objetivo central: o de manter a memória do espaço viva e presente.

Como fazer um projeto de Retrofit?

 

CASA GERAL 2 1511_LIO SIMAS
Casa Dr. Oswaldo Cabral, no centro de Florianópolis, foi a sede da CASACOR Santa Catarina. O imóvel foi construído entre as décadas de 1940 e 1950, em estilo neo colonial espanhol, que revela a riqueza cultural do acervo de Cabral. Foi tombado desde 1988 pelo Patrimônio Histórico Municipal, onde foi o último endereço do médico e historiador, que ficou conhecido pelo fascínio em pesquisar a cultura de Santa Catarina. Divulgação/CASACOR

Para fazer um projeto de Retrofit é necessário que o escritório esteja disposto à investir em novas tecnologias, mais modernas, para conseguir um alto nível de entrega com poucos erros.

A seguir, confira as principais tecnologias envolvidas para colocar em prática o Retrofit:

BIM 4D

 

O BIM é uma tecnologia muito utilizada para criação de projetos. Ainda que os profissionais falem bastante sobre o modelo 3D – que já garante eficácia nas obras – recentemente algumas empresas tem adotado o 4D, que para casos como o de Retrofit é mais indicado pelo elevado grau de precisão.

Continua após a publicidade

O BIM é uma biblioteca que incorpora todas as informações e especificidades de um produto diretamente no projeto, com as medidas corretas e uma uma visão mais realista do projeto como um todo, especialmente em relação às esquadrias.

Renderes ultrarrealistas

 

O renderes são excelentes ferramentas para dar a visão mais realista do projeto pronto. Na prática, o arquiteto ou engenheiro consegue fazer o desenho 2D do edifício que será restaurado, e para exibir para o cliente ou mesmo conseguir visualizar da melhor maneira como o monumento vai ficar pós Retrofit, ele investe nos renderes que trazem a solução 3D do prédio restaurado.

Retrofit no Brasil

 

No Brasil, alguns monumentos históricos passaram por revitalização sem abrir mão da memória do espaço. Alguns super conhecidos, feitos por mãos de grandes arquitetos brasileiros, não poderiam abrir mão da sua origem.

A seguir, confira alguns exemplos de prédios que para sua reforma foi utilizado o Retrofit:

Pinacoteca

 

arquitetura prédio icônico são paulo pinacoteca centro
Nelson Kon/CASACOR

Com autoria do projeto por ninguém menos que o grande Paulo Mendes da Rocha, o edifício foi construído no final do século XIX, e durante todos esses anos passou por diferentes mudanças – e já, inclusive, chegou a ficar abandonado por um tempo.

O projeto de Retrofit foi uma intervenção para adequar o edifício às novas normas vigentes e também garantir a segurança para revitalizar o seu uso.

Para isso, os responsáveis precisaram:

  • Incorporar uma nova rede elétrica;
  • Trocar o telhado por um modelo de vidro para iluminar melhor o ambiente;
  • Adequar rampas e incluir elevadores para pessoas com mobilidade reduzida;
  • Reforço na estrutura dos pisos.

Hotel Fasano

 

Hotel Fasano pós restruturação em Retrofit
Divulgação/CASACOR

Outro exemplo clássico de Retrofit que não poderíamos deixar de fora da nossa lista é o Hotel Fasano, localizado em Salvador, e considerado um dos mais famosos prédios para hospedagem do Brasil. O prédio foi criado em 1930.

Ele teve sua estrutura recuperada e memória preservada e hoje é um dos estabelecimentos mais queridos do Brasil para o mundo quando o assunto é hospedagem. Sua revitalização foi necessária especialmente para que o hotel recebesse visitantes de maneira aconchegante e segura.

Farol Santander

 

Farol Santander antigo Banespa reformado em 2018
Leo Martins/CASACOR

Inaugurado em 1947, o Farol Santander (antigo Edifício Altino Arantes) também passou por reformas que preservaram seu aspecto arquitetônico em art déco. Ele foi reformulado e reaberto em 2018 e recebe diferentes visitantes que vão visitar as exposições do espaço e mesmo sua arquitetura contemporânea.

A reforma durou cerca de dois anos, e revitalizou tanto a fachada como também o ambiente interno do prédio.

Estádio do Maracanã

 

Estádio do Maracanã passou por Retrofit para a Copa do Mundo de 2014
Fernandes Arquitetos e Associados/CASACOR

O Retrofit feito no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, foi um dos mais prestigiados e recebeu prêmio do AR Future Project Awards 2013 na categoria “Retrofit”. Ele foi restaurado para receber os jogos da Copa do Mundo de 2014.

O estádio havia sido construído nos anos 50 e o trabalho de Retrofit foi feito pela Fernandes Arquitetos Associados. O escritório teve como principal função fazer a modernização das estruturas, preservando as características marcantes do estádio – que é protegido pelo patrimônio histórico.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade