O brutalismo está de volta e vai conquistar a sua casa

Concreto, volumes puros, linhas simples: relembre obras icônicas do movimento arquitetônico de 1970 e descubra como incorporá-lo no seu lar

Por Giovanna Jarandilha Atualizado em 26 fev 2021, 15h18 - Publicado em 27 fev 2021, 09h00

loft grabbo

Você já a deve ter visto por aí – a arquitetura brutalista é muito reconhecível e distinta dos movimentos arquitetônicos que a precederam. No Brasil, são muitas as obras que traduzem o movimento, especialmente em São Paulo, onde nomes como Vilanova Artigas e Paulo Mendes da Rocha deixaram sua marca. O brutalismo está de volta e aqui está tudo o que você precisa saber sobre ele. Confira!

O que é brutalismo?

ginásio do clube atletico paulitano paulo mendes da rocha arquitetura brutalista brutalismo
O Ginásio do Clube Atlético Paulistano, obra de Paulo Mendes da Rocha concluída em 1961 em São Paulo. Reprodução/CASACOR

O brutalismo é um movimento arquitetônico surgido entre as décadas de 1950 e 60 no contexto de pós-guerra na Europa. Seguindo a industrialização e o soerguimento das cidades, arquitetos do período apostaram no concreto aparente para traduzir o espírito da época – um período de crise, em que as obras tinham de ser funcionais e reduzidas ao essencial.

Derivado do termo “béton brut“, traduzido como “concreto bruto”, o brutalismo se origina na França a partir dos ensinamentos de um dos principais mentores da arquitetura do século XX, Le Corbusier.

Quais as características do brutalismo?

masp lina bo bardi arquitetura são paulo brutalismo brutalista
O MASP de Lina Bo Bardi na Avenida Paulista, em São Paulo. Divulgação/CASACOR

Além do concreto exposto, o brutalismo é expresso na arquitetura através de estruturas aparentes, sem reboco ou pintura, como colunas e vigas, além de canos e fios à mostra. Na busca pela verdade dos materiais e das formas, a arquitetura brutalista utiliza-se também de volumes puros e maciços – prova de sua inspiração modernista, movimento que o precedeu.

Continua após a publicidade

Obras brutalistas no Brasil

MuBe Jardim Europa
O MuBE, obra brutalista assinada por Paulo Mendes da Rocha em São Paulo. Divulgação/CASACOR

A capital do brutalismo no Brasil é indiscutivelmente São Paulo. Cidade onde estão abrigados o MASP de Lina Bo Bardi e o MuBE de Paulo Mendes da Rocha, a capital paulista teve como um de seus maiores expoentes o arquiteto Vilanova Artigas, fundador da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP ao lado de Carlos Cascaldi.

fau usp são paulo faculdade de arquitetura e urbanismo brutalismo obra
A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, a FAU-USP, projeto de Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. Fernando Stankuns/CASACOR

No Brasil, o brutalismo apareceu pela primeira vez com o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, projeto de Affonso Eduardo Reidy que data de 1952. Outras obras brutalistas pelo país incluem o Sesc Pompéia, concluído por Lina Bo Bardi em 1982, além do Ginásio do Clube Paulistano, de Paulo Mendes da Rocha.

residencia tomie ohtake por ruy ohtake brutalismo
A Residência Tomie Ohtake por Ruy Ohtake. Nelson Kon/CASACOR

A referência mais marcante quando se pensa em brutalismo no Brasil, porém, talvez seja a Casa Brutalista, construída pelo arquiteto Ruy Ohtake como moradia e atelier para a artista plástica Tomie Ohtake, sua mãe. Além da fachada marcada pelo concreto sinuoso, tudo no seu interior também leva concreto – até mesmo os pisos e armários.

Como inserir a tendência em casa?

casa oak salvio moacir jr casacor são paulo 2019 brutalismo
A fachada da Casa Oak, de Sálvio e Moacir Jr na CASACOR São Paulo 2019, foi construída com tijolos rústicos, que fazem um recorte na parede, formando um ângulo interno. Denilson Machado/CASACOR

A volta do brutalismo entre as tendências de decoração contemporânea indica um retorno ao original e um apreço por materiais duráveis, que descomplicam o lar e ainda acrescentam uma boa dose de personalidade. A arquitetura exposta, quando ao lado de obras de arte e peças de design, cria uma composição elegante e atemporal.

loft grabbo guel arquitetos casacor brasília 2019 brutalismo pedras rústico decoração banheiro
O Loft Grabbo, pensado pelo Guel Arquitetos na CASACOR Brasília 2019, traz um muro de gabião vazado que divide os ambientes. Jomar Bragança/CASACOR

Para incorporar esse estilo em casa, aposte em revestimentos rústicos, como o concreto bruto, que pode ser incorporado nas paredes, no teto ou no mobiliário. Paredes com estruturas expostas, como tubulações e fios, também remetem ao brutalismo. Outros materiais que fazem parte do movimento são a madeira, os vidros e as estruturas metálicas.

meu lugar no mundo carlos otavio arquitetura e interiores casacor ceará 2019 quarto brutalismo concreto rústico
O projeto Meu Lugar no Mundo, do escritório Carlos Otávio Arquitetura e Interiores para a CASACOR Ceará 2019, reflete um morar compacto onde os revestimentos foram mantidos inacabados. Esdras Guimarães/CASACOR

Ao contrário do movimento original, porém, o brutalismo atual traz cores mais frescas, texturas mais suaves e metais mais quentes. Pense no cobre, no concreto polido e em peças de design coloridas. Mas não se engane: a marca do brutalismo permanece sendo o minimalismo e a simplicidade das formas.

oficina do artista gam arquitetos casacor bahia 2018 brutalismo
A Oficina do Artista do GAM Arquitetos traz uma laje com concreto aparente e a preservação dos pilares originais como inegáveis traços brutalistas. Marcelo Negromonte/CASACOR
Continua após a publicidade
Publicidade