5 revestimentos de piso e parede feitos a partir de resíduos

Conchas, pets, borra de café e até lama: materiais que seriam descartados ganham nova utilidade por meio da economia circular

Por Nádia Sayuri Kaku Atualizado em 28 Maio 2021, 14h39 - Publicado em 31 Maio 2021, 10h00
5 revestimentos de piso e parede feitos a partir de resíduos
Na ordem: bricks feitos com lama, hexágonos produzidos a partir da borra de café e cobogós que levam conchas de sururu em sua composição. Divulgação/CASACOR

Chamamos de resíduo tudo aquilo que foi descartado por não ter mais a utilidade original, mas ganha nova função em outro processo produtivo, como matéria-prima na indústria, por meio da reciclagem. Quando o material volta para a cadeia produtiva, a economia circular se desenvolve, criando um novo ciclo de uso. A indústria da construção acumula vários exemplos de móveis, matérias-primas e produtos feitos a partir de resíduos de diferentes naturezas. Separamos abaixo, cinco bons exemplos de revestimentos que são fabricados a partir de materiais descartados.

Cobogós feitos de conchas de sururu

Cobogó Mundaú é um revestimento feito a partir da concha do sururu. Assinado por Marcelo Rosenbaum, Rodrigo Ambrósio e o Instituto A Gente Transforma,
Divulgação/CASACOR

O Cobogó Mundaú foi desenvolvido por Marcelo Rosenbaum, Rodrigo Ambrósio e pelo Instituto A Gente Transforma a partir do uso da concha de sururu, molusco muito utilizado na culinária da comunidade do Vergel, em Maceió (AL) – apesar da popularidade do molusco, sua concha era descartada como rejeito e era estimado que 200 toneladas de conchas se acumulavam todos os meses em torno da Lagoa Mundaú, gerando um problema ambiental e de saúde pública para as comunidades ali instaladas. Disponível no mercado brasileiro a partir do mês de maio, as peças são feitas de forma artesanal na comunidade e seguem técnicas do artesão Itamácio Santos.

Cobogó Mundaú é um revestimento feito a partir da concha do sururu. Assinado por Marcelo Rosenbaum, Rodrigo Ambrósio e o Instituto A Gente Transforma,
Divulgação/CASACOR

Com um recorte vazado em formato orgânico, a superfície do cobogó é inspirada no próprio contorno do marisco e reflete o brilho furta-cor da concha, ora com predominância de verde, ora com destaque no roxo. O produto ganhou escala industrial com o apoio da Pointer, marca de design democrático da Portobello. O Instituto A Gente Transforma é um projeto que aflora sustentabilidade e mostra que tecnologia e criatividade podem ser sinônimo de reaproveitamento, com o uso de materiais alternativos.

Rodapés feitos de isopor

Loft Alguma Coisa Acontece no Meu Coração, projeto de Marcelo Salum para a CASACOR São Paulo 2018.
O Loft “Alguma coisa acontece no meu coração”, assinado por Marcelo Salum para a CASACOR São Paulo 2018, utilizou rodapés especialmente desenvolvidos pela Santa Luzia na cor do revestimento da parede. Evelyn Müller/CASACOR

Desde que dispensou o uso da madeira como principal matéria-prima no início dos anos 2000, a Santa Luzia já transformou quase 50 milhões de kg de resíduos plásticos em materiais de construção sustentáveis de alto desempenho e durabilidade. A CASACOR, inclusive, destina o isopor das mostras para a empresa, onde o material se transforma em revestimentos, rodatetos, rodapés, molduras para espelhos, entre outros itens.

Casa Cor São Paulo 2019 -
O arquiteto Marcelo Salum aplicou quase 5 mil peças da Coleção SIX e rodapés 454 da Linha Moderna da Santa Luzia no ambiente “Loft Árvore da Vida”, da CASACOR São Paulo 2019. Salvador Cordaro/CASACOR

Como são peças recicladas, os novos produtos não apresentam as desvantagens da madeira, do gesso, ou de outros materiais tradicionais. Ou seja, são livres de mofo, pragas e não apodrecem quando são umedecidos.

Pastilhas feitas com garrafa PET

Casa Sustentável Leroy Merlin, assinada pelas arquitetas Gabriela Lotufo e Larissa Oliveira para a CASACOR São Paulo 2018
Na Casa Sustentável Leroy Merlin, assinada pelas arquitetas Gabriela Lotufo e Larissa Oliveira para a CASACOR São Paulo 2018, as pastilhas que revestem o backsplash da cozinha são do modelo Branco Juçara, da Rivesti. Rafael Luvizetto/CASACOR

As pastilhas Rivesti possuem em sua composição 85% de PET reciclado, além de aditivos minerais reaproveitados. Durante sua fabricação, há baixo consumo de energia, emissão zero de poluentes e zero resíduo. Cada m² de pastilhas evita o lançamento de 3 kg de CO2 na atmosfera e retira do meio ambiente 66 garrafas PET.

Continua após a publicidade
Casa Sustentável Leroy Merlin, assinada pelas arquitetas Gabriela Lotufo e Larissa Oliveira para a CASACOR São Paulo 2018
No banheiro da Casa Sustentável Leroy Merlin, assinada pelas arquitetas Gabriela Lotufo e Larissa Oliveira para a CASACOR São Paulo 2018, as pastilhas da Rivesti aparecem na área do box. Rafael Luvizetto/CASACOR

A Rivesti mantém 33 cores na coleção permanente e ainda permite a escolha de qualquer cor Pantone para atender projetos especiais.

Cerâmica feita com resíduos de vidro, louças e lama

Café com Terraço da Ofner, ambiente de Joia Bergamo para a CASACOR São Paulo 2019: o Maxi Brick Natyra Cappuccino usa como parte de sua composição rejeitos de mineração da barragem de Fundão da cidade de Mariana, em Minas Gerais.
Café com Terraço da Ofner, ambiente de Joia Bergamo para a CASACOR São Paulo 2019: o Maxi Brick Natyra Cappuccino usa como parte de sua composição rejeitos de mineração da barragem de Fundão da cidade de Mariana, em Minas Gerais. Martin Gurfein/CASACOR

Atualmente, a Lepri tem 99% de suas linhas fabricadas com materiais descartados, como vidros de telas de TVs e monitores de computadores, cinzas provenientes da queima da lenha e lâmpadas fluorescentes. A mistura obtida com o vidro descontaminado pode ser usada na composição dos esmaltes ou combinada à massa dos revestimentos, o que confere maior resistência. A reciclagem também contribui para a redução do lixo eletrônico.

Melina Romano - Estudio Hygge - CrÇdito das imagens Denilson Machado MCA Estudio (5)
No Studio Hygge, de Melina Romano para a CASACOR São Paulo 2019, piso e paredes contam com cerâmicas da Lepri no piso e parede. Denilson Machado/CASACOR

O passo mais recente da empresa em relação à sustentabilidade foi o desenvolvimento de uma técnica para aproveitar rejeitos de mineração, a partir da lama da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais. Hoje, cerca de 50% dos produtos são feitos com a lama de Mariana.

Revestimento feito de borra de café

Produzido pela Recoffe Design, o revestimento Hexágono utiliza a borra de café como matéria-prima e aglutinantes naturais de fonte renovável.
Divulgação/CASACOR

Produzido pela Recoffe Design, o revestimento Hexágono utiliza a borra de café como matéria-prima e aglutinantes naturais de fonte renovável. O resultado é uma superfície rica em detalhes que fazem cada peça ser única e exclusiva, principalmente porque cada unidade é feita artesanalmente. A empresa recolhe os resíduos direto da indústria do café (as produtoras doam quando um produto sai fora do padrão comercial) e também em cafeterias parceiras.

Produzido pela Recoffe Design, o revestimento Hexágono utiliza a borra de café como matéria-prima e aglutinantes naturais de fonte renovável.
Divulgação/CASACOR

Com texturas e diferentes tons, o revestimento é impermeável, resistente ao calor, rígido e muito leve. Os módulos podem ser colados em paredes internas sem exposição direta de sol e chuva. E o melhor: tem o cheirinho do café!

 

Continua após a publicidade
Publicidade