Artboard Created with Sketch.

Instalações artísticas fazem espectador repensar o consumo do plástico

Estruturas de animais projetadas com sucata e um pavilhão aquático interativo faz com que o uso do plástico seja repensado através da arte

Em 2018, o plástico foi escolhido o material do ano pelo London Design Festival, evento britânico de referência no segmento, a fim de motivar o espectador a repensar o uso do objeto no futuro. Também neste ano, o plástico vem sendo considerado um dos principais inimigos do meio ambiente. O motivo é o tempo de decomposição: pode levar de 400 anos para se decompor, até nunca se desintegrar completamente.

Underwater Pavillions, de Doug Aitken

Underwater Pavillions, de Doug Aitken (Divulgação/CASACOR)

Pensando nisso, novas formas de conscientizar a sociedade tem sido uma aposta de ativistas e artistas. Abaixo, separamos duas instalações artísticas que motivam o público a repensar no consumo.

Wild Wild Waste, de Artur Bordalo

Wild Wild Waste, de Artur Bordalo

Wild Wild Waste, de Artur Bordalo (Divulgação/CASACOR)

O artista português Artur Bordalo, mais conhecido como Bordalo II, usou um motel abandonado em Las Vegas como palco para sua arte. Animais gigantes, feitos de sucata, ocuparam o terreno abandonado e compõem a exposição Wild Wild Waste – Selvagem desperdício selvagem, em tradução livre –, como parte da programação do festival de música e artes Life is Beautiful.

Bordalo é reconhecido por sua arte ativista, e suas obras buscam sempre alertar sobre abuso de animais, poluição e consumismo exacerbado. Em Wild Wild Waste, seis esculturas são expostas e foram feitas em parceria com a Justkids.

Wild Wild Waste, de Artur Bordalo

Wild Wild Waste, de Artur Bordalo (Divulgação/CASACOR)

Um leão debilitado, deitado em um baú de caminhão; uma baleia presa em redes de pesca e rodeada por pneus velhos; pinguins cercados por lixo, a família de macacos e pandas, compostas por partes de um carro e os ursos em metal fazem parte das instalações, e são produzidas somente com lixo achado em fábricas abandonadas, centros de reciclagem e lixeiras.

Underwater Pavilions, de Doug Aitken

Mergulhador interagindo com o pavilhão

Mergulhador interagindo com o pavilhão (Divulgação/CASACOR)

Desenhadas pelo artista Doug Aitken e pelo ativista Cyrill Gustch, Underwater Pavillons – pavilhões submarinos, em tradução livre – é uma instalação de arte que imerge no oceano e interage com mergulhadores e a vida marinha.

A instalação é uma parceria com o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles e consiste em três esculturas produzidas com pedras e superfícies espelhadas. Quando imersa 4 m abaixo do nível do mar, o pavilhão muda de posição de acordo com os movimentos da água. A incisão da luz também varia de acordo com os ângulos.

Os três pavilhões submersos, refletindo de acordo com a intensidade da luz

Os três pavilhões submersos, refletindo de acordo com a intensidade da luz (Divulgação/CASACOR)

A principal preocupação de Doug é lutar pela preservação aquática, e foca sua carreira em criar projetos para a proteção dos mares, junto com a organização Parley For the Oceans, que atua na eliminação de plástico dos oceanos. Os ativistas pretendem espalhar outros pavilhões pelo mundo. Confira abaixo o vídeo da produção: 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.