Olafur Eliasson cria obra sobre mudança climática em geleira na Itália

O artista dinamarquês-islandês criou um percurso artístico montanha acima, culminando em uma obra em vidro e aço a qual funciona como aparelho astronômico

Por Redação 4 nov 2020, 12h44
Oskar da Riz/Designboom/CASACOR

Já imaginou uma fusão de arte, astronomia e paisagens espetaculares? O artista dinamarquês-islandês Olafur Eliasson criou um pavilhão único na Geleira Hochjoch Ferner, no Sul de Tyrol, Itália, próxima à fronteira com a Áustria. A obra, batizada de Our Glacial Perspectives (Nossas Perspectivas Glaciais) é um percurso montanha acima que leva a refletir sobre o tempo e a natureza.

Oskar da Riz/Designboom/CASACOR

Visitantes seguem um caminho de 410 m, pela cordilheira esculpida pela gelo, dividido por nove portões. Eles são espaçados em intervalos com escalas correspondentes às durações das eras glaciais da Terra, marcando uma linha do tempo profunda do planeta.

Arte da astronomia

 

Oskar da Riz/Designboom/CASACOR

No topo, uma estrutura composta de anéis de aço e vidro formam um deck circular, que se projeta sobre o topo do monte Grawand. A partir deste ponto, o pavilhão transforma-se instrumento astronômico.

David Orru/Designboom/CASACOR

Os anéis dividem o ano em intervalos de tempo iguais – o anel superior rastreia o caminho do Sol no solstício de verão, o anel do meio rastreia o equinócio, enquanto o anel inferior rastreia o solstício de inverno. Quem visita consegue se orientar no espaço utilizando os arcos.

Oskar da Riz/Designboom/CASACOR

Os painéis de vidro retangulares azuis marcam quinze minutos de arco (15°) do movimento do Sol no céu, isso permite que o visitante determine a hora do dia com base na posição do solar. Marcando o horizonte e as direções cardeais, Olafur chama a atenção do do visitante para uma perspectiva planetária mais ampla sobre as mudanças climáticas que estão afetando diretamente Hochjoch Ferner.

Estúdio Olafur Eliasson/Designboom/CASACOR

As vidraças são tingidas em vários tons de azul em referência ao cianômetro, uma escala desenvolvida no século XIX para medir o azul do céu. O vidro colorido filtra e reflete a luz e a radiação solar, comportando-se como uma mini-atmosfera.

 

Continua após a publicidade
Publicidade