A aproximação das tradições indígenas e japonesas em exposição no Japão

O Museu Teien, em Tóquio, recebe a exposição Bancos Indígenas do Brasil para apresentar a semelhança e aproximação das artes tradicionais dos países

Por Redação Atualizado em 18 fev 2020, 07h47 - Publicado em 4 jul 2018, 15h13
Divulgação/CASACOR

Em um movimento de aproximação das tradições artísticas do Brasil e do Japão, mais uma empreitada ganha vida. De 30 de junho a 7 de setembro, o Museu Teien, em Tóquio, recebe a exposição Bancos Indígenas do Brasil, com peças da Coleção BEI. A mostra possui expografia do arquiteto japonês Toyo Ito.

Divulgação/CASACOR

O Museu Teien é uma construção art déco de 1933, antiga residência oficial do príncipe e do primeiro-ministro japonês. O prédio foi projetado por Gondo Yukichi, com interiores de Henri Rapin e vidros decorativos de René Lalique. Em 2014, o Museu foi reformado e ganhou um anexo contemporâneo de cuja concepção participo o fotógrafo e arquiteto Hiroshi Sugimoto.

Divulgação/CASACOR

Do nosso lado brazuca, a mesma exposição toma conta do Pavilhão Japonês, no Parque Ibirapuera, com cerca de 70 peças até o dia 5 de agosto. A expografia da designer Claudia Moreira Salles e dos arquitetos Eiji Hayakawa e Gabriel Bueno revela a sofisticação e a importância cultural dos bancos: alguns são zoomórficos, representando animais da fauna brasileira; outros são assentos mais convencionais, lixados com esmero, pintados com pigmentos naturais, decorados com grafismos ou entalhes.

Os bancos foram produzidos por povos de várias regiões do alto e baixo Xingu, sul da Amazônia, Centro-Oeste, norte do Pará, Guianas e noroeste amazônico e são apresentadas com o intuito de enaltecer e ressaltar as tradições dos povos originários. 

Divulgação/CASACOR

Nesse movimento de aproximação entre a arte indígena e a japonesa, os organizadores pretendem expor a forma como ambas, cada um a seu modo, cultivam o rigor e, ao mesmo tempo que reverenciam a tradição, assimilam as transformações trazidas por nossa época — os índios, por exemplo, hoje usam ferramentas e introduzem inovações em sua arte, mas mantêm-se fiéis aos ensinamentos de seus antepassados. Ambas compartilham, ainda, um intenso sentido de integração com a natureza, traduzido pelo uso sustentável da madeira. A exposição, portanto, constitui um olhar multicultural sobre a relação entre a matéria-prima e a obra final, o uso do material e sua preservação, a natureza e o fazer artístico. 

EXPOSIÇÃO BANCOS INDIGENAS DO BRASIL – JAPÃO

Quando?

De 30 de junho a 17 de setembro

Informações completas no site Museu: http://www.teien-art-museum.ne.jp/en/exhibition/180630-0917_benchesofthebrazilian.html

EXPOSIÇÃO BANCOS INDIGENAS DO BRASIL – SÃO PAULO

Quando?

De 9 de junho a 5 de agosto

Continua após a publicidade

Funcionamento: quarta, sábado, domingo e feriado

Horário: das 10h às 12h e das 13h às 17h

Onde?

Acesso: Portão 3 e 10 – Av. Pedro Álvares Cabral

Tel: (11) 5081-7296 e 3208-1755

Entrada Gratuita.

˜

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade