Com arcos e espelhos, livraria chinesa parece uma obra de Escher

Assinada pelo X + Living, de Xangai, a loja Dujiangyan Zhongshuge utiliza escadas helicoidais e jogos de reflexo para criar um ambiente surrealista

Por Redação 23 out 2020, 15h56
Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

As fotos da livraria Dujiangyan Zhongshuge não parecem um local real mas sim uma representação de alguma biblioteca mística e perdida, como a de Alexandria. O projeto, porém, já foi construído e fica em Chengdu, uma província da China central, às margens do deserto de Gobi. Ele foi feito pela empresa de arquitetura X + Living, de Xangai, responsável por assinar outras livrarias para a mesma rede. Li Xiang, fundador da X + Living deu detalhes da concepção da livraria ao site da Architectual Digiest.

Uma catedral surrealista de leitura

 

Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

O espaço se remete a uma catedral, graças aos espelhos no tetos e aos ladrilhos pretos no piso que também refletem as estantes. “O teto espelhado no espaço é a assinatura da livraria Zhongshuge. Ele efetivamente estende o espaço por reflexão.”diz Li. Para quem sobe as escadarias helicoidais a impressão é de estar caminhando em um obra de Escher, já que os livros parecem continuar num infinito, tanto para baixo quanto para cima.

Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

Os arcos e colunas no centro da loja foram posicionadas de modo a aproveitar 100% da altura do local e foram inspirados na topografia e na arquitetura da região. “O projeto está localizado em Dujiangyan, que é uma cidade com uma longa história de desenvolvimento de conservação de água, portanto, na área principal, é possível ver o estilo de construção de barragem integrado nas estantes”, explica o arquiteto.

Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

E se você se perguntou como os funcionários conseguem pegar os livros no alto, a resposta é que nas prateleiras superiores, os livros são falsos: a loja utiliza um tipo de adesivo com as lombadas impressas. “Se colocarmos livros reais nas prateleiras superiores, não será apenas difícil para os leitores alcançá-los, mas também será difícil para os operadores cuidar deles”, coloca Li. Como a loja possui uma coleção de mais de 80 mil livros, os leitores não precisam se preocupar com a falta de acervo.

Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

No primeiro andar, ficam um café e a seção infantil, esta última mais aberta e com estantes de bambu decoradas com pandas. A varanda do segundo piso dispõe de cadeiras, onde os clientes podem navegar por entre os livros, trabalhar ou só conversar e relaxar.

Projeto holístico

 

Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

Li comenta que cada parte da livraria, até os detalhes, foi pensada para oferecer uma experiência única aos frequentadores. “Este projeto é um conceito holístico. Precisávamos coordenar todas as partes do espaço para garantir que qualquer item funcional, seja uma estante de livros ou uma mesa, não se desviasse do tema do conceito e em ao mesmo tempo, tem um senso de beleza.”

Reprodução Arch Daily Feng Shao/CASACOR

Para ele, arquitetura e design podem representar elementos naturais de forma artística, por vezes até abstrata, reproduzindo o encantamento que temos diante da magnitude da natureza. Essas construções, produtos da engenhosidade humana, devem, segundo ele, se valer da biomimética para beneficiar nossa sociedade.

Continua após a publicidade
Publicidade