Artboard Created with Sketch.

Exposição na DW! reúne 20 artistas para recriar tradicional rede indígena

Com curadoria de Lilian Pacce, a mostra Brasil Tupi conta a origem e a evolução da rede de dormir na Design Weekend

Rede de João Pimenta

Rede de João Pimenta (Divulgação/CASACOR)

Comum em residências litorâneas, a rede de dormir é produto da cultura indígena que foi incorporado como peça de design. Sua popularidade se deve à técnica manual que a concebe, em trabalho artesanal laborioso, ainda que simples. O design inteligente conquista protagonismo na exposição Brasil Tupi, que recebe curadoria da jornalista Lilian Pacce, e tomará conta da Design Weekend em São Paulo, entre os dias 18 e 25 de agosto.

O projeto pretende recontar a origem e a evolução da rede de dormir. Para isso, foram convidados 21 artistas e designers, que irão apresentar uma releitura original da peça que remonta às gerações que nos precedem. O grupo será composto pelos artistas Alê Jordão e David Lee; os estilistas Dudu Bertholini, João Pimenta e Patricia Bonaldi; o cantor Falcão; a chef Morena Leite; os arquitetos Sig Bergamin e Ugo di Pace; o florista e decorador Vic Meirelles; o cabelereiro Wanderley Nunes; a atriz Gloria Pires e os designers Henrique Steyer, Ines Schertel, Jader Almeida, Léo Capote, Paulo Alves, Ronald Sasson, Sergio Matos, Fernando Motta e o Estúdio Mula Preta.

Do cipó, passando pelo algodão, e finalmente chegando ao nylon, a peça nunca foi tão atual, como observa Pacce. “O tempo passou, mas a rede é parte do mobiliário de muitas casas no nordeste. E até no sul do país. Há quem ainda prefira dormir nela ao invés de se deitar na cama”. Os artistas encontram o desafio de homenagear as evoluções da peça, respeitando sua tradição, mas conferindo-lhe uma nova roupagem – é este, afinal, o objetivo da exposição.

Produzidas no município de Mucambo, no Ceará, as redes que integram a mostra provêm das mãos de artesãos da Associação Carqueijo Artesanato. Crochê, ponto cruz e bordado a mão são algumas das técnicas aplicadas por eles na produção das peças.

A DW! acontece até 25 de agosto. As peças estarão expostas na Florense, Interbagno, Saccaro, Studio 689 – Ugo di Pacce, Tidelli e USE Gallery – Wanderley Nunes, todos localizados na Alameda Gabriel Monteiro da Silva. Depois disso, seguirão para Milão, em abril de 2020, para o Salão do Móvel.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.