Living Casapark, Bilheteria e Fachada são diálogo entre passado e presente

Os três ambientes foram assinados pela dupla Dimitri Lociks e Simone Turíbio, da Choque Arquitetura e Design, para a CASACOR Brasília 2019

Por Ana Carolina Harada - Atualizado em 2 out 2020, 15h32 - Publicado em 2 out 2020, 14h56
Jomar Bragança/CASACOR

O escritório Choque Arquitetura e Design não tinha uma tarefa fácil nas mãos quando participou da CASACOR Brasília 2019. Responsáveis por três ambientes, coube à dupla Dimitri Lociks, designer, e Simone Turíbio, arquiteta, criar a Fachada para a mostra na icônica Casa da Manchete, de Oscar Niemeyer. Além dessa imensa responsabilidade, os profissionais assinaram outros dois espaços, a Bilheteria e o Living Casapark. Este ano, o Choque Arquitetura e Design compõe o elenco do novo projeto Janelas CASACOR, edição Brasília.

Boas vindas aos visitantes

Jomar Bragança/CASACOR

O primeiro contato do visitante com a mostra é inteiro pensado pelo escritório, e trabalhar com uma construção original tão marcante é sem dúvidas um desafio. O projeto da Fachada abraçou a tradição da arquitetura moderna, incorporando sua linguagem concisa e monumental. As áreas externas receberam vidro e placas de porcelanato enquanto e a fachada propriamente recebeu aberturas para a entrada de luz natural, além de um belo projeto luminotécnico.

Jomar Bragança/CASACOR

Seguindo uma mesma narrativa, a Bilheteria, de 90 m², também traz as características e elementos do modernismo, afinal de contas, a própria cidade é um monumento arquitetônico. A Biofilia também foi um conceito inspirador, portanto, foram colocadas plantas e mais aberturas para aproveitar a luz do Sol. Assim, quem chega sente-se acolhido e confortável. O destaque do ambiente é o teto escultural, em madeira.

Um Living eclético

Jomar Bragança/CASACOR

O Living Casapark reúne vários elementos, formas e proporções em seus 177 m². Simone e Dimitri elaboraram uma seleção de mobiliário que se remete ao aspecto histórico da cidade, mas que não deixa de ser contemporânea, seguindo as tendências mundiais do design. A paleta vai do marrom, ao cinza, passando por tons de verde e azul.

Jomar Bragança/CASACOR

O concreto aparente se remete ao passado e à tradição moderna, enquanto os vãos fazem alusão às superquadras. A arquibancada e as duas aberturas na fachada foram inspiradas em Burle Marx, outro nome proeminente do paisagismo modernista. Essas brechas funcionam tanto como janelas quanto como bancos.

Jomar Bragança/CASACOR

Em uma das paredes, ficam 144 azulejos personalizados com palavras que remetam a ideia de aconchego, uma instalação artística criativa e lúdica para acolher o público. Além dela, há uma escultura de espelho vazada, dando ao visitante a sensação de se misturar ao cômodo. Para finalizar, uma obra inédita de Christus Nóbrega coroa o living.

Continua após a publicidade
Publicidade