Após ser adiada, a 34º Bienal Internacional de Arte SP abre suas portas

Com mais de 90 noventa artistas, a Bienal estreia no próximo dia 4 (sábado) em formato inovador e em conexão direta com a cidade

Por Redação Atualizado em 30 ago 2021, 12h15 - Publicado em 31 ago 2021, 11h00
bienal internacional de arte de sao paulo faz escuro mas eu canto casacor
Vista aérea da fachada após reforma do Pavilhão Ciccillo Matarazzo, São Paulo. Leo Eloy/Estúdio Garagem/Fundação Bienal de São Paulo/CASACOR

Além do tradicional Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque do Ibirapuera, a Bienal Internacional de Arte de São Paulo acontece em diversas instituições distribuídas pela cidade de São Paulo.

“O ponto de partida do projeto curatorial da 34ª Bienal de São Paulo foi o desejo de desdobrar a mostra, ativar cada momento de sua construção e aguçar a vitalidade de uma exposição desta escala. Buscando dialogar com os públicos, tão amplos e tão distintos, que visitam a Bienal há décadas, propusemos expandir esta edição no espaço e no tempo”, afirma Jacopo Crivelli, curador-geral desta edição.

bienal internacional de arte de sao paulo faz escuro mas eu canto casacor
Roman Atamanczurk/Fundação Bienal de São Paulo/CASACOR

Com o título Faz escuro mas eu canto – trecho do poema “Madrugada Camponesa” de Thiago de Mello, publicado em 1965 –, a exposição de arte reforça seu compromisso com o momento presente.

“Por meio desse verso, reconhecemos a urgência dos problemas que desafiam a vida no mundo atual, enquanto reivindicamos a necessidade da arte como um campo de resistência, ruptura e transformação“, revela a equipe curatorial formada pelo italiano Jacopo Crivelli, o curador-adjunto Paulo Miyada e ainda em conjunto com os curadores Carla Zaccagnini, Francesco Stocchi e Ruth Estévez.

bienal internacional de arte de sao paulo faz escuro mas eu canto casacor
Roman Atamanczurk/Fundação Bienal de São Paulo/CASACOR

Desde 1951, a Bienal de São Paulo, que celebra 70 anos, sempre esteve conectada à capital. Ao longo de sua história, enquanto a mostra estabelecia seu lugar na cena cultural nacional e internacional, a Fundação Bienal consolidou-se por seu forte compromisso com o fomento à produção artística, sua busca de diálogo com os inúmeros agentes que compõem o sistema das artes e sua missão histórica de divulgar arte a um público brasileiro e global.

bienal internacional de arte de sao paulo faz escuro mas eu canto casacor
Fundação Bienal de São Paulo/CASACOR

Certamente, esta Bienal não será a mesma que se veria um ano atrás. Mas o projeto mantém seu compromisso de ser um enunciado para a reflexão sobre a atualidade, diante da crise sanitária global, crise política e social, período em que nos voltamos para arte com o desejo de um amanhã diverso.

“Algumas obras se verão mais claras, outras mais opacas; algumas mensagens soarão como gritos, outras chegarão como ecos. Não precisamos entender tudo, nem nos entender todos; trata-se de falar nossa língua sabendo que há coisas que outros idiomas nomeiam e nós não sabemos expressar ” complementam o time curatorial via site.

Continua após a publicidade
bienal internacional de arte de sao paulo faz escuro mas eu canto casacor
Neste ano, o conceito arquitetônico da Bienal de Arte é assinado por projeto arquitetônico concebido por Andrade Morettin Arquitetos. Fundação Bienal de São Paulo/CASACOR

Este ano, a 34º Bienal Internacional de Arte São Paulo conta com projeto arquitetônico concebido por Andrade Morettin Arquitetos e com a expografia das galerias criada pelo escritório Metrópole Arquitetos Associados.

Para lista completa de obras clique aqui http://34.bienal.org.br/artistas

Serviço: Bienal Internacional de São Paulo

Exposição Faz escuro mas eu canto

De 4 de setembro a 5 de dezembro de 2021

Pavilhão Ciccillo Matarazzo – Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

Terça, quarta, sexta e domingo: 10h – 19h (última entrada às 18h30)

Quinta e sábado: 10h – 21h (última entrada às 20h30)

Entrada gratuita

Continua após a publicidade
Publicidade