O legado do mestre Luis Barragán nos arredores de Guadalajara

À medida que a cidade mexicana se tornava um epicentro criativo, os arquitetos se basearam na herança de Luis Barragán para diversas construções

Por Redação Atualizado em 1 abr 2021, 15h47 - Publicado em 1 abr 2021, 15h50
Luis Barragán
Luis Barragán – Reprodução/CASACOR

Luis Barragán tinha 24 anos, em 1925, quando viajou a Paris para participar da Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas. Ele voltou a Guadalajara delirando não sobre as vanguardas emergentes no cenário arquitetônico europeu, mas sim sobre um par de livros publicados naquele ano: “Jardins Enchantés” e “Les Colombières” do arquiteto paisagista francês Ferdinand Bac. Organizados em torno de fontes, pérgulas e vistas perfeitamente enquadradas, os jardins românticos de Bac eram, como ele escreveu, “lugares de repouso e prazer pacífico”.

Segundo o estudioso da arquitetura Tapatío, Juan Palomar, esses livros “representam uma síntese do Mediterrâneo – da costa europeia e do norte da África – que lembrava Barragán de sua própria arquitetura local”. Os terraços abertos da Côte d’Azur, as medinas sombreadas de Marrocos, as passagens escuras da Alhambra que se abrem para espelhos d’água… todos tinham análogos nas fazendas da infância de Luis Barragán, nas casas de adobe caiadas de Jalisco rural e no drama da região Conventos agostinianos.

Interior da Casa Gilardi de Luis Barragán
Interior da Casa Gilardi de Luis Barragán- Reprodução/CASACOR

Nas décadas seguintes, enquanto muitos arquitetos na Cidade do México preferiram a geometria afiada do modernismo inicial, Barragán e sua coorte encheram os novos bairros de Guadalajara com vilas mediterrâneas e jardins inspirados em Ferdinand Bac, embelezados com floreios de cromo ou terraço. O foco deles, diz o estudioso Juan Palomar, “era uma arquitetura que pudesse se aproximar mais dos tempos sem quebrar a tradição”. 

A herança da Escola Tapatío

 

Continua após a publicidade

Esses ideais têm sido centrais na tradição arquitetônica de Guadalajara desde a década de 1920, quando os quatro fundadores da chamada Escola Tapatío (“Tapatío” é o termo mexicano para o povo de Guadalajara) – Luis Barragán Morfín, Ignacio Díaz Morales, Pedro Castellanos LambleyRafael Urzúa Arias  – se formaram na Escuela Libre de Ingenieros (Escola Livre de Engenheiros) da cidade. Na época, a cidade que era principalmente conservadora e católica de mercadores, comerciantes e burocratas regionais, evitou, desde sua fundação no século 16, os excessos das cidades mais ricas. Até mesmo o punhado de grandes monumentos neoclássicos, erguidos ao longo do século 19 que dominam seu centro histórico, parecem fora de escala com a paisagem urbana modesta e baixa que os rodeia. 

Buscando inspiração nas fazendas e conventos da zona rural circundante, eles cobriram as paredes com grossas camadas de gesso e organizaram seus interiores em torno de jardins claustrais. Como a arquitetura em Guadalajara começou a parecer mais moderna nos anos 1950 e 1960 (as formas reduzidas a cubos abstratos; bancos de janelas protegidas por brise-soleils), os herdeiros da Escola Tapatío frequentemente usavam fachadas inescrutáveis para esconder passagens sinuosas e cantos tranquilos para contemplação- edifícios que atraíam tanto uma cidade em crescimento quanto sua população devota. Como disse o arquiteto Alejandro Guerrero, um dos praticantes contemporâneos mais proeminentes da cidade: “Até o modernismo em Guadalajara nunca foi completamente moderno”.

A fachada cega da Casa Entrelomas esconde jardins em formato de terrário, visíveis apenas de dentro
A fachada cega da Casa Entrelomas esconde jardins em formato de terrário, visíveis apenas de dentro- Anthony Cotsifas/CASACOR

Os herdeiros da Escola Tapatío, agora entrando em sua quinta geração, parecem usar a memória como matéria-prima, tratando a atmosfera e a experiência como não menos essenciais do que a forma e a estrutura. Embora menos religiosos do que seus predecessores, eles ainda gesticulam em direção ao sublime a cada volta da esquina e encorajam a introspecção a cada fachada cega. 

Se muitos edifícios contemporâneos apegam-se a tecnologia como uma força contundente, chamando nossa atenção para o futuro, os herdeiros adotam uma abordagem mais cuidadosa do progresso, oferecendo lugares para se retirar, questionar e pensar. Os arquitetos de Guadalajara, seja construindo com tijolo, estuque ou aço, continuam a “recriar e renovar a nostalgia, tornando-a contemporânea”, como Luis Barragán uma vez incitou.

A Casa Aranguren

 

Continua após a publicidade

O melhor exemplo pode ser a Casa Aranguren de 1937, projetada por Pedro Castellanos e recentemente reformada pelos arquitetos Francisco Gutierrez e Luis Aldrete. Castellanos cobriu a fachada com estuque sensível, agora pintado de ruão, transformando o que Gutierrez descreve como “flertes com a modernidade” – um friso Art Déco, um par de janelas flexionadas pela Bauhaus – voltado para os jardins, como se protegesse as sensibilidades conservadoras dos vizinhos.

Uma vista do exterior da Casa Aranguren
Uma vista do exterior da Casa Aranguren Anthony Cotsifas/CASACOR

A reforma de Gutierrez e Aldrete é apropriadamente discreta. Enquanto você faz seu caminho através do terreno de 1012 m², o som de como se fosse água borbulhante te guia por uma procissão de salas brancas, nas quais a dupla de arquitetos gravaram linhas delicadas no gesso. Chegando ao estúdio de Aldrete, uma fonte de calcário em camadas finalmente se revela através de um arco em meia-lua. Em um segundo pátio nos fundos, Gutierrez e Aldrete cobriram uma passarela ao ar livre conectando a casa principal aos antigos aposentos dos empregados com um capô rígido de vidro e aço pintado.

Uma escada na Casa Aranguren de 1937
Uma escada na Casa Aranguren de 1937 – Anthony Cotsifas/CASACOR

Lá dentro, uma soleira arredondada marca o ponto onde eles quebraram o telhado para abrir uma escada entre o segundo e o terceiro andares. Quando o sol se esconde por trás das nuvens, sua luz se difunde por uma janela de fita na parede leste do corredor, e as geometrias simples dos batentes das portas e das escadarias se achatam em duas dimensões.

A Casa Padilla

 

Continua após a publicidade

À vista de sua rua suburbana em Guadalajara, capital do estado de Jalisco, no centro-oeste do México, a Casa Padilla parece menos uma casa do que um mosteiro: uma parede branca marcada com uma larga calha, em forma de crescente, e uma porta de cedro simples. Com quase dois metros de altura, a porta se abre para um pequeno vestíbulo sombreado que termina em outra porta, sendo levado a um pátio iluminado e ensolarado cercado por paredes eclesiásticas.

Uma árvore nativa de guamúchil no pátio de calcário da Casa Padilla de Hugo Gonzalez, em 1989, na cidade mexicana de Zapopan.
Uma árvore nativa de guamúchil no pátio de calcário da Casa Padilla de Hugo Gonzalez, em 1989, na cidade mexicana de Zapopan- Anthony Cotsifas/CASACOR

Bem à frente, uma escada envolta em pedra cantera rosa vermelha desaparece no meio de sua elevação atrás de outra parede. Sem um destino claro, as etapas tornam-se uma abstração, mais escultural do que arquitetônica. Ao lado da escada, e em uma esquina, outra porta se abre para um saguão escuro – um choque de escuridão – levando a um corredor curto e labiríntico que termina, de repente, em um amplo terraço coberto

Uma parede amarela brilhante, com filodendros e wedelia no pátio da Casa Padilla.
Uma parede amarela brilhante, com filodendros e wedelia no pátio da Casa Padilla- Anthony Cotsifas/CASACOR

Projetada em 1989 pelo arquiteto Hugo Gonzalez, agora com 63 anos – que é reverenciado na comunidade de design de Guadalajara, mas pouco conhecido fora dela – a Casa Padilla, de 798 m², não é só uma estrutura, mas uma narrativa nunca legível em sua totalidade. Se as frágeis caixas de jóias de vidro do alto modernismo e bunkers de concreto do brutalismo abraçam a transparência radical, então, a Casa Padilla está enraizada, como um dos edifícios mais emblemáticos de Guadalajara, em uma lógica litúrgica mais antiga de mistério e admiração. “Com Hugo, tudo gira em torno da penumbra e da descoberta”, diz o paisagista Carlos A. Mora, 37 anos, genro de Gonzalez e administrador não oficial de seu legado. 

A casa de Ortiz

 

Continua após a publicidade

Na década de 1980, o trabalho de muitos praticantes da Escola Tapatío estagnou, dominado por “uma espécie de amor religioso e místico de Barragán”, diz o arquiteto Sergio Ortiz. Luis Barragán havia passado anos na Cidade do México cultivando sua personalidade como um poeta de luz, sombra e cor, deixando de lado sua primeira obra regionalista. Em 1986, dois anos antes da morte de Barragán, Ortiz ingressou no corpo docente do Instituto Ocidental de Tecnologia e Educação Superior (ITESO). Frustrado com o que via como um regionalismo “morto e petrificado”, Ortiz incorporou filosofia, poesia e arte contemporânea em um currículo clássico de teoria e prática arquitetônica.

Uma escada no escritório de Sergio Ortiz leva a um estúdio que ele aluga para um ex-aluno
Uma escada no escritório de Sergio Ortiz leva a um estúdio que ele aluga para um ex-aluno – Anthony Cotsifas/CASACOR

Desde então, a casa de Ortiz, construída em 1992 em Colônia Seattle – um subúrbio de paralelepípedos popular entre a elite intelectual da cidade – e seu estúdio particular, concluído em 2008, tornaram-se estrelas-guia para uma nova geração de arquitetos Tapatío. A casa de 334 m² – um prisma flutuante de superfícies planas brancas perfuradas por janelas quadradas e semicirculares – parece uma abstração habitável

Na entrada do ateliê do arquiteto Sergio Ortiz 2008, paredes de gesso áspero, janelas de aço, piso de pedra vulcânica e marcenaria de cedro.
Na entrada do ateliê do arquiteto Sergio Ortiz 2008, paredes de gesso áspero, janelas de aço, piso de pedra vulcânica e marcenaria de cedro. Anthony Cotsifas/CASACOR

A nova geração em Guadalajara

 

Continua após a publicidade

A mais nova geração de arquitetos Tapatío – a maioria na casa dos 30 anos, muitos deles ex-alunos de Ortiz e Aldrete, Guerrero e Gutierrez, Macías e Peredo – cresceram em uma cidade que é mais cosmopolita do que suas antecessoras. 

A cena cultural de Guadalajara é próspera, com galerias, restaurantes, estúdios de artistas e lojas de design escondidos atrás de fachadas nada atraentes ou abrindo para ruas arborizadas nas mesmas colônias onde Castellanos e Barragán construíram suas primeiras casas. Designers e fabricantes que, ainda há 15 anos, podem ter se estabelecido na capital ou no exterior, voltaram para casa para colaborar com artesãos da região. O conservadorismo recalcitrante da cidade começou a relaxar, embora seu estilo de vida íntimo e lento permaneça intacto.

Na Casa com Sete Pátios de 2008, um freixo perfura o pórtico do pavilhão, que foi projetado por Alejandro Guerrero e Andrea Soto
Na Casa com Sete Pátios de 2008, um freixo perfura o pórtico do pavilhão, que foi projetado por Alejandro Guerrero e Andrea Soto- Anthony Cotsifas/CASACOR

A tradição ainda tem seu lugar aqui, é claro, mas também a irreverência sutil que esses arquitetos contemporâneos introduziram. Considere, por exemplo, a Casa RC1, projetada em 2018 para uma família de cinco pessoas no subúrbio frondoso de Rancho Contento pelo arquiteto Saúl Figueroa, de 35 anos. As diretrizes de construção da comunidade exigem telhados angulares com telhas de terracota, gestos vazios em direção a formas convencionais que Figueroa respeita e subverte. 

Guadalajara continua a se expandir em grupos de comunidades fechadas e subúrbios fortificados – mais um legado de Luis Barragán, cujos projetos ao redor da Cidade do México ajudaram a introduzir o subúrbio de estilo americano em seu país. Desenvolvimentos como esses sacrificam o sentido de lugar que define a melhor arquitetura Tapatío em favor da privacidade e segurança, os novos ideais de um país dominado pela violência e pela desconfiança. As gerações anteriores de arquitetos cresceram em contato constante com os marcos deixados por seus ancestrais; os jovens praticantes “cresceram numa cidade feita de muros”, diz Miguel Valverde Hernández, que é sócio, com Daniel Villanueva Sandoval na firma V Taller.

Degraus de pedra que levam a um pavilhão de vidro na Casa com Sete Pátios.
Degraus de pedra que levam a um pavilhão de vidro na Casa com Sete Pátios- Anthony Cotsifas/CASACOR

Construir algo novo em Guadalajara hoje requer não apenas recriar e renovar a nostalgia, como Barragán sugeriu, mas reconsiderar o que exatamente vale a pena ser nostálgico. “Assumimos nossa herança e ela se torna um conjunto de questões”, diz  Peredo. “Como você leva essas ideias de poética e domesticidade a escalas diferentes? Como você faz algo tão poderoso com tão pouco? ”. Em outras palavras, como você devolve o encantamento à vida cotidiana? É a nostalgia não como um princípio norteador, mas como uma questão, uma fronteira que gera uma ideia, um ponto de partida – ou, talvez, um muro a ser superado um dia.

Fonte: NYTimes

Continua após a publicidade
Publicidade