Bienal de Veneza 2018: mostra revela muros que o Brasil precisa transpor

Coletivo de jovens arquitetos cria exposição “Muros de ar” no Pavilhão do Brasil na 16ª Bienal de Arquitetura de Veneza 2018

Por Vanessa D'Amaro Atualizado em 18 fev 2020, 07h49 - Publicado em 11 jun 2018, 13h51

A dupla Yvonne Farrell e Shelley McNamara, do Grafton Architects, divulgou um manifesto, em junho de 2017, elegendo FREESPACE como o tema para a 16ª Bienal de Arquitetura de Veneza. A ideia é que durante a mostra, que ocorre de 26 de maio a 25 de novembro na cidade italiana, os projetos selecionados de diferentes países tragam à discussão a capacidade da arquitetura de mediar a relação entre as pessoas e os edifícios.

O espaço vazio é, portanto, uma das questões relevantes, tanto que as arquitetas mencionam Lina Bo Bardi e a obra do MASP no documento. “Lina Bo Bardi eleva o MASP para criar um mirante a fim de que os cidadãos possam desfrutar da vista sobre a cidade”, exemplificam.

View this post on Instagram

Brazil Pavilion #BiennaleArchitettura2018 #NationalParticipants #Giardini. Welcome to #Freespace, the 16th International Architecture Exhibition #Venice, 26.05 – 25.11 2018. Pic by @jacopo_salvi

A post shared by La Biennale di Venezia (@labiennale) on

Com esse mote em mente, a curadoria do Pavilhão do Brasil na Bienal de Arquitetura ficou a cargo dos jovens arquitetos Gabriel Kozlowski, Laura González Fierro, Marcelo Maia Rosa e Sol Camacho. Para compor a mostra brasileira, o coletivo optou por realizar alguns chamamentos públicos para formar a ideia de Muros no ar, que tem como objetivo explorar a questão da transposição de fronteiras – materiais e imateriais – do Brasil e de sua arquitetura.

Foram selecionados 17 projetos de regiões diferentes do país (de cerca de 300 inscritos). Cada um deles representa um muro – da arquitetura, da cultura e da identidade brasileira – que os curadores acreditam que precisa ser transposto.

View this post on Instagram

10 cartographies @wallsofair #biennalearchitettura2018 #labiennaledivenezia #venicebiennale2018

A post shared by Gabriel Kozlowski (@gabrielkozlowski) on

A exposição começa com uma grande sala – que remete ao tamanho continental do país. Ali, estão expostos mapas, divididos em dez temas diferentes. Cada um deles traz os problemas do Brasil em várias escalas e, de maneira gráfica, expõe um aspecto diferente do país e discute o quão livre é a nação.

https://www.instagram.com/p/BjI3eGglRFp/

Continua após a publicidade

Entre os projetos selecionados, está o “Urban Florest”, que vem sendo construído completamente em madeira no bairro da Vila Madalena, em São Paulo (SP). O projeto é uma parceria entre a empresa de florestamento AMATA e o escritório franco-brasileiro Triptyque Architecture. Previsto para 2020, a característica do edifício é o uso misto, isto é, em 13 andares há espaços para co-working, co-living, lojas e restaurantes. 

View this post on Instagram

Some details and a closer look at the "Urban Forest" project in exhibition now at the the 16th edition of the Architecture Biennial, in Venice, which continues until november 25. Go visit us at Brazil Pavilion! _____________________ Alguns detalhes e um olhar mais atento ao projeto "Floresta Urbana" em exposição agora na 16ª edição da Bienal de Arquitetura, em Veneza, que segue até o dia 25 de novembro. Visite-nos no Pavilhão do Brasil! #Triptyque #TriptyqueArchitecture #VeniceArchitectureBiennale #Architecture

A post shared by Triptyque Architecture (@triptyquearchitecture) on

O premiado projeto Moradias Infantis, que reformou toda a escola Fazenda Canuanã, em Formoso do Araguaia (TO), faz parte da mostra. Criado por Rosenbaum com a Aleph Zero Arquitetura, o edifício é de uso misto já que, além dos espaços educacionais, abriga também um alojamento para alunos que moram longe da escola. A iniciativa venceu a categoria Melhor Edifício de Arquitetura Educacional do mundo, da premiação Building Of The Year

Moradias Infantis, por Rosenbaum e Aleph Zero Arquitetura Divulgação/CASACOR

Já o StudioMK27 está representado pelo projeto Praça Infantil Iguatemi, a ser construída em uma área residencial de São Paulo. Com um vazio central, portais de madeira permitiriam que as crianças explorassem, de maneira lúdica, novos espaços neste grande jardim.

Praça Infantil Iguatemi, por StudioMK27 StudioMK27/CASACOR

O projeto do Sesc Parque Dom Pedro II, criado por Una Arquitetos, está também na exposição. Ainda a ser construída, a proposta faz parte de um plano de revitalização do parque Dom Pedro II, após a demolição do edifício São Vito. O novo edifício, em frente ao Mercado Municipal, complementará a paisagem do centro da capital paulista. Desde 2014, o SESC-SP já ocupa o espaço com uma programação regular ao ar livre. 

Projeto do SESC Parque Dom Pedro II, por UNA Arquitetos UNA ARQUITETOS/CASACOR

Mas o projeto do Parque Dom Pedro II não é o único da instituição a fazer parte da mostra Muros de ar. A proposta de expansão da unidade Ribeirão Preto, criada pelos escritórios SIAA e HASAA, está em Veneza. O projeto mantém o edifício histórico do SESC na cidade, amplia as áreas de convivência e investe em grandes volumes vazios e percursos de circulação do público – valorizando a integração do espaço com o entorno. 

Projeto Sesc Ribeirão Preto, pelos escritórios SIAA e HASAA SIAA + HASAA/CASACOR

O Atelier Marko Brajovic também fez parte da curadoria e levou a instalação NSDC, um redesenho para grades das cidades. A peça é dobrada e dialoga que com a questão da segregação e separação que as grades representam. O nome “NSDC”, inclusive, é uma sigla e homenageia a arquitetura cênica de Lina Bo Bardi para a peça “Na selva das cidades” de Bertold Brecht, montada pelo Teatro Oficina nos anos 60. Veja imagens da instalação abaixo.

View this post on Instagram

NSDC project at Venice Architecture Biennale 2018 proposes a re-design of the city fences into public furnitures by considering design process as a transformation tool, used to shape the urban landscape and its uses. When "walls are folded", their use is redefined; from a segregating and separation urban element into a place of meeting and aggregation. More than a form, the project presents itself as a tool for urban civic transformation. NSDC project originally commissioned to Atelier Marko Brajovic by the public institutions of São Paulo City Hall and Museu da Cidade in 2015, is part of the exhibition Walls of Air in the Brazilian Pavilion. NSDC is an acronym representing Lina Bo Bardi’s “Na selva das Cidade”, eng. “In the city Forest”) #wallsofair #murosdear #AtelierMarkoBrajovic #architecture #venicebiennale #pavilhaodobrasil Material: Steel profiles 3mmx3mm Dimensions: 3,99 (W) x 1,80 (H) x 1,40 (L) Author: Atelier Marko Brajovic Project Team: Marko Brajovic, Bruno Bezerra, Carmela Rocha, May Shinzato, Ana Toljic Production: GreenSpin Manufacturing: Cracco Serramenti Sponsors: GreenSpin, Cracco Serramenti Special thanks to amazing Brazilian Pavilion Curator Team: Laura González Fierro, Sol Camacho, Gabriel Kozlowski e Marcelo Maia Rosa. And to my dear friend from IUAV times, Enrico Lain that helped this fantastic production of NSDC in Italy

A post shared by Marko Brajovic (@markobrajovic) on

 

Continua após a publicidade
Publicidade