Miguel Pinto Guimarães projeta o 1º campus escolar sustentável no Recife

Nesta nova sede da Escola Eleva, a sustentabilidade é um elemento presente não só na arquitetura, mas também na ferramenta de ensino

Por Marina Pires Atualizado em 22 nov 2021, 14h04 - Publicado em 25 nov 2021, 16h00
campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

O arquiteto Miguel Pinto Guimarães, junto ao seu escritório MPG Arquitetura, está à frente do projeto do primeiro campus totalmente sustentável da Escola Eleva no Recife. Essa é a quarta unidade da instituição projetada por ele. 

Nesta nova sede do colégio, que será inaugurada em 2022, a sustentabilidade é um elemento presente não só na arquitetura, mas também na ferramenta de ensino, sendo assim inserida no programa pedagógico da instituição. 

“A instalação de visores de acrílico em trechos do forro e de paredes específicas para visualização, respectivamente, permitirá que professores e alunos possam ter contato direto com as estratégias de sustentabilidade adotadas e explorem o debate a cerca do tema durante as aulas”, conta a MPG Arquitetura. 

campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

“Ao tratarmos a sustentabilidade em uma instituição de ensino estamos corroborando para o desenvolvimento da consciência ambiental dos alunos desde o início da formação dos mesmos para que a sustentabilidade não seja compreendida como um tema extra, ou algo complementar”, completa o escritório. 

campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

Segundo estudos, alunos que frequentam escolas com ambientes mais agradáveis têm maior poder de concentração e produtividade. Para esta nova sede da Escola Eleva, níveis corretos de iluminação, ruídos e conforto térmico foram trabalhados para que as melhores condições sejam oferecidas a todos os estudantes, independente da hora do dia ou da estação do ano.

campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

Entre as principais medidas adotadas neste projeto sustentável assinado pela MPG Arquitetura, destacam-se: 

Continua após a publicidade

  • Uso de reservatórios para armazenamento e reuso da água das chuvas nas bacias, mictórios e irrigação, reduzindo a pressão nas redes públicas e o consumo de água potável da escola.
  • Paisagismo com vegetação nativa ou adaptada, promovendo a recuperação da flora e fauna, além de reduzir os volumes de águas necessárias à irrigação.
  • Na construção, houve uma forte preocupação com as escolhas dos materiais construtivos e sistemas para operação, buscando conforto térmico, qualidade do ar e produtividade.
  • A unidade também conta com placas solares para aquecimento de parte da água usada para banhos.
campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

“Exploramos ao máximo as estratégias passivas fundamentadas nos conceitos de arquitetura bioclimática. A começar pelo estudo da melhor implantação possível para o edifício aliado a elementos como brises, fachadas ventiladas, cobogós, beirais entre outros”, comenta o escritório de arquitetura de Miguel Pinto Guimarães. 

campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

Com a pandemia da Covid-19, o olhar das pessoas para as condições de comodidade, salubridade e disposição dos ambientes, principalmente aqueles que se caracterizam como espaços de permanência, como as salas de aula, tornou-se mais crítico. 

Assim, proporcionar espaços com luz e ventilação natural têm ganhado cada vez mais destaque dentro dos projetos de arquitetura pós-pandemia. 

campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR

“Ambientes bem ventilados naturalmente auxiliam não só no conforto térmico de locais com temperaturas externas elevadas, como Recife, assim como auxiliam na renovação e na qualidade do ar interno, sendo este último um dos fatores mais importantes a ser considerado na prevenção da proliferação de patologias virais”, explica.

campus escolar sustentável; miguel pinto guimarães; sustentabilidade; arquitetura bioclimática;
Divulgação/CASACOR
Continua após a publicidade

Publicidade