Artboard Created with Sketch.

Ideias de design para salvar o mundo

Plantas que fornecem luz, couro de abacaxi e até bactérias são utilizados em projetos inovadores para um design mais ético e consciente

Fibras da folha do abacaxi passam por diversos processos até chegar a um material bem próximo de um couro de alta qualidade.

Fibras da folha do abacaxi passam por diversos processos até chegar a um material bem próximo de um couro de alta qualidade. (Divulgação/CASACOR)

Mais de dois bilhões de toneladas de lixo são produzidas anualmente, aponta um relatório da Organização das Nações Unidas. Eles também afirmam que 99% dos produtos que compramos são jogados fora em apenas seis meses, em média. Seriam necessários 70% de outro planeta Terra para sustentar o consumo no atual ritmo.

A ideia do mundo que queremos deixar para as próximas gerações já foi substituída pela urgência de repensar o impacto das nossas ações no presente, assim como o ciclo de produção, utilização e descarte de recursos e resíduos. Reavaliar o envolvimento das comunidades locais para impulsionar diferentes iniciativas também está – ou deveria estar- na ordem do dia.

Uma boa notícia neste cenário apocalíptico é o aumento do interesse de arquitetos, designers e artistas pela inovação. Verdadeiros laboratórios de pesquisa desenvolvem produtos a partir das matérias-primas mais inesperadas – quem imaginaria um tecido feito com água de coco? Eles buscam soluções em sintonia com o cuidado dos animais, o equilíbrio do clima, o combate ao desperdício e alternativas ao uso do plástico.

Ouro reciclado – isso mesmo

A dupla de designers Andrea Trimarchi e Simone Farresin, da Formafantasma, criou o projeto Ore Streams para explorar o potencial de reaproveitamento de lixo eletrônico. Eles reaproveitam o ouro, presente em circuitos de computadores e outros equipamentos, em novos acabamentos em superfícies. Eles também ressignificaram caixas de celulares, teclados de laptops, peças de micro-ondas e outros itens. Assim, chamam a atenção para o crescente descarte de eletrônicos e a velocidade em que se tornam obsoletos.

Ouro reaproveitado de circuitos e peças eletrônicas são ressignificados pela Formafantasma.

Ouro reaproveitado de circuitos e peças eletrônicas são ressignificados pela Formafantasma. (Divulgação/CASACOR)

Água de coco

Seetal Solanki é fundador do studio de design chamado Ma-tt-er, que desenvolveu o composto Malai. Vegano e resistente à água, ele parece com couro ou papel. Na verdade, é produzido por bactérias naturalmente presentes na água de coco, que se desenvolvem em um ambiente úmido. A cultura da bactéria é alimentada pela água de coco – considerada um resíduo -, recolhida pelos agricultores do sul da Índia, que trabalham com o processamento do fruto.

A mistura fermenta e uma camada de celulose cresce, transformando-se em uma substância gelatinosa. Conforme o tempo passa, o material se torna mais espesso, até ganhar a aparência de couro. As diferentes cores são obtidas com corantes naturais.

A mistura fermenta e uma camada de celulose cresce, transformando-se em uma substância gelatinosa. Conforme o tempo passa, o material se torna mais espesso, até ganhar a aparência de couro. As diferentes cores são obtidas com corantes naturais. (Divulgação/CASACOR)

Leveduras e bactérias

No projeto From Peel to Peel (da casca à casca, em tradução livre), a designer italiana Emma Sicher produz embalagens descartáveis de alimentos. Sua matéria-prima? Uma cultura de microorganismos que proliferam nas sobras de frutas e vegetais. Eles reagem e transformam a frutose e as vitaminas em camadas de celulose.

Pode parecer bastante esquisito, mas o resultado, semelhante à gelatina, descansa, passa por um processo de secagem e se torna uma folha translúcida. O material pode ter várias aplicações, moldando objetos, acessórios e outros itens.

Rígido como o plástico ou o couro, o material ganha várias cores dependendo das frutas e vegetais utilizados, como maçã, beterraba ou bagaço de uva.

Rígido como o plástico ou o couro, o material ganha várias cores dependendo das frutas e vegetais utilizados, como maçã, beterraba ou bagaço de uva. (Divulgação/CASACOR)

Planterna

Partículas que promovem a bioluminescência, como o brilho das águas-vivas, podem gerar luz e reduzir o consumo de energia elétrica. Essa é a ideia de dois cientistas americanos, Michael Strano e Sheila Kennedy, que incorporaram nanopartículas de luciferase em folhas de agrião (foto) e outras plantas. Surgiu assim a Planterna ou os Planters.

A tecnologia permitiria, por exemplo, transformar árvores em postes de luz ou utilizá-las para iluminar uma casa.

Em maior escala, a criação teria o potencial de levar luz a regiões que ainda não contam com abastecimento de energia.

Em maior escala, a criação teria o potencial de levar luz a regiões que ainda não contam com abastecimento de energia. (Seon-Yeong Kwak/CASACOR)

Traje funerário sustentável

Um dos pontos críticos para o meio ambiente é o tempo de decomposição de materiais e a pegada de carbono que cada produto deixa no planeta. A ideia é levada ao extremo nesta invenção – um traje funerário feito de micro-organismos e fios de cogumelos.

O artista Jae Rhim Lee desenvolveu esta roupa que neutraliza as toxinas liberadas no processo e ainda transfere os nutrientes para as plantas ao redor. O Infinity Burial Suit custa US$1.500, também vai disponibilizar os trajes para pets (!) e tem fila de espera de clientes.

Os cogumelos, que são algumas das matérias-primas do traje, são seres conhecidos como importantes decompositores na Terra.

Os cogumelos, que são algumas das matérias-primas do traje, são seres conhecidos como importantes decompositores na Terra. (Divulgação/CASACOR)

Estruturas submersas

O artista israelense Erez Nevi Pana mergulhou estruturas em madeira envolvidas com buchas no Mar Morto, que possui altas concentrações de sal. Ele as deixou cristalizar, como a formação de corais. O resultado são peças como a Bleached (branqueada), que evoca uma imediata consciência sobre a importância de preservar a vida marinha e o impacto da interação humana com o meio ambiente.

A peça revela a força da natureza com um forte apelo de design e arquitetura.

A peça revela a força da natureza com um forte apelo de design e arquitetura. (Divulgação/CASACOR)

Couro de palmeira

Com fibras de folhas da palmeira tratadas, é possível criar um material semelhante ao couro e com elas fazer tapetes. O estilista holandês Tjeerd Veenhoven encontrou, assim, uma alternativa sustentável e vegana ao couro tradicional, após oito anos de pesquisa.

Na produção dos tapetes, as tiras do material são trançadas e depois cortadas no tamanho desejado.

Na produção dos tapetes, as tiras do material são trançadas e depois cortadas no tamanho desejado. (Divulgação/CASACOR)

Couro de abacaxi

A marca Votch já venceu um Vegan Awards. Ela fabrica relógios ecológicos, e uma das linhas apresenta um material chamado Pinatex, nome derivado de pineapple (abacaxi, em inglês). As folhas da planta são utilizadas para compor essa espécie de couro utilizada nas pulseiras.

Fibras da folha do abacaxi passam por diversos processos até chegar a um material bem próximo de um couro de alta qualidade.

Fibras da folha do abacaxi passam por diversos processos até chegar a um material bem próximo de um couro de alta qualidade. (Divulgação/CASACOR)

Alternativa ao couro tradicional

Outra experiência que resultou em um material semelhante ao couro foi realizada pelo designer Don Kwaning. Ele começou a pesquisar a composição do linóleo, e seu resultado chegou ao Lino: composto resistente e vegano que pode ser empregado em móveis e estofados. A variação de cores depende da farinha de madeira incluída como um dos componentes.

 (Divulgação/CASACOR)

Tecido vegano de maçã

Mesmo as grandes marcas e designers estão se envolvendo na experimentação de novos materiais. A Cassina se uniu ao designer francês Philippe Starck, que reinventou algumas peças empregando um tecido vegano feito de maçãs que seriam descartadas como lixo industrial. Chamado de Apple Ten Lork, o material rendeu inclusive uma premiado no PETA Vegan Homeware Awards 2019. O PETA é uma fundação que reúne ativistas ligados ao tratamento ético com animais.

Uma das peças de Starck atualizadas com o tecido foi o sofá Volage EX-S.

Uma das peças de Starck atualizadas com o tecido foi o sofá Volage EX-S. (Divulgação/CASACOR)

Santuário de borboletas monarca

A população das borboletas monarca enfrenta um grave declínio, o que alerta para o desequilíbrio ambiental e o uso excessivo de pesticidas. O projeto Terreform One instalou este ano em Nova Iorque um pequeno edifício comercial que é um verdadeiro bioma, integrando o habitat das borboletas em suas fachadas e no telhado.

A ação traz as borboletas para a cidade, amplia a presença de outras espécies e demonstra o que deveria parecer óbvio: plantas, insetos e seres humanos podem coexistir em harmonia.

 (Divulgação/CASACOR)

É pouco provável que estas ideias resolvam os problemas enfrentados hoje no planeta, tampouco sejam fabricadas em larga escala. Mas o conjunto dessas criações tem o papel de fortalecer uma mensagem e um legado, compreendidos e compartilhados por um número maior de pessoas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.