Hollywood Regency, Pop Art e clássico no Foyer Bienvenue da CASACOR SP

O ambiente de Lisandro Piloni no início do circuito da mostra combina ares de lobby, ousadia na mistura de elementos e parede que abriga uma galeria de arte

Por Luciana Andrade Atualizado em 17 fev 2020, 16h36 - Publicado em 5 jun 2019, 12h35
O mobiliário cria uma sala de estar eclética, com peças de antiquário, elementos que recuperam o glamour dos anos 1940 e itens atuais, como o sofá Laos revestido em veludo amarelo. Divulgação/CASACOR

Com um pé direito de aproximadamente 5 metros de altura e um vão com 12 metros de largura, o espaço de grandes dimensões ganhou um projeto que valoriza as proporções palacianas. O arquiteto Lisandro Piloni idealizou o Foyer Bienvenue que, como o nome diz, recepciona o visitante que chega à CASACOR São Paulo 2019.

“A proposta do ambiente é de um grande lobby de um empreendimento de alto padrão, mas com toques de ousadia e cores. Pensei em uma grande mistura de elementos modernos e Pop Art, aplicados sobre uma base totalmente clássica”, define o profissional. Um dos principais elementos são as boiseries, que ganham destaque no tom azul e compõem uma gallery wall repleta de telas, fotografias e outras obras de arte.

As paredes reúnem fotos do Yuri Seródio, caixas de acrílico com blocos de papel reciclado, a obra de Telha do Cholito, um Emblema do artista Rubem Valentim, o retrato de Oxum de Marcelo Jorge. Divulgação/CASACOR
Ao lado do neon All You Need is Love, autorretrato de Camila Alvite, óleo sobre tela. Divulgação/CASACOR

Nas paredes, a mistura de obras de arte e esculturas se contrapõem ao clássico presente nas paredes com boiseries e nos pisos. Essa conversa com o clássico, no entanto, ganha outra conotação quando se encontra com outro estilo. Trata-se do opulente Hollywood Regency, inspirado nas casas e propriedades glamourosas dos atores e atrizes da Era Dourada de Hollywood.

Entre os anos 1930 e 1950, o estilo foi um dos que dominou a cena na efervescente Califórnia, na costa oeste norte-americana. Leandro Piloni, aliás, revela uma de suas inspirações. “O piso de carpete é uma referência total a Dorothy Draper”, afirma, citando a decoradora de interiores americana conhecida pelo anti-minimalismo, adepta das cores exuberantes e grandes estampas.

A foto em tons de branco é da Rizza. Logo abaixo, tela Retrato de Charles Mingus, um grafite e carvão de Julien Andre Alonso. Sobre os livros na mesa, luminária Universo.AB com design de Mauricio Arruda. Divulgação/CASACOR

O preto e branco também era um dos elementos-chave do Hollywood Regency e foi incorporado a este espaço no piso bicolor. Ele combina dois porcelanatos que intercalam as padronagens dos mármores Nero Marquina e Carrara.

Divulgação/CASACOR

Seguindo pelo percurso, a ideia é fazer a todos entrarem por um grande hall revestido com carpete e chegar à escadaria com uma passarela em vermelho. Logo após, o visitante acessa os demais ambientes da CASACOR SP. Os oito pedestais com acabamento em mármore preto trazem uma certa irreverência, ao sustentarem os bustos clássicos feitos com dobradura de papel e intervenções modernas.

O biombo de espelhos é outro elemento que confirma a sofisticação e o glamour cinematográfico propostos no ambiente. Divulgação/CASACOR
O balcão de atendimento, à direita na foto, ganhou um revestimento em madeira que tem a aparência do mármore Nero Marquina. O canapé de antiquário foi repaginado com tecidos estampados e é original da década de 1940, no estilo Hollywood Regency. A mesa, no alto, é uma peça italiana em metal dourado com conchas nacaradas e base em madeira laqueada. Acima, kokedamas suspensas com cabos de aço. Divulgação/CASACOR
Continua após a publicidade
Publicidade