Perfomance em Londres investiga conexões da febre amarela no Brasil

A brasileira Vivian Coccuri apresenta em galeria inglesa uma "alucinação histórica" sobre o retorno da febre amarela no Brasil

Por Giovanna Jarandilha Atualizado em 17 fev 2020, 16h37 - Publicado em 20 Maio 2019, 17h28
Kochi-Muziris Biennale/CASACOR

A galeria londrina Serpentine vai receber uma nova performance de Vivian Caccuri como parte do festival The Shape of a Circle in the Mind of a Fish with Plants. A artista paulistana compôs uma apresentação que relaciona historicamente as intersecções entre a febre amarela, a cana-de-açúcar, os mosquitos e a música do Brasil clássica e contemporânea.

Chamada “O Xarope do Novo Mundo & A Mão da Febre”, a palestra-performance se baseou no último surto de febre amarela que tomou conta da América do Sul entre 2017 e 2018. A doença está profundamente conectada às plantações de açúcar que criaram um ambiente ideal para a proliferação do Aedes Aegypti, mosquito trazido pelos navios negreiros europeus para as Américas.

Estudos científicos sobre o tema são pano de fundo para o debate sobre as ligações entre a cana-de-açúcar, a febre amarela, o Catolicismo e a forma pela qual as interações coloniais foram refletidas na música. “É quase irônico que a febre amarela tenha ‘escolhido’ voltar nesta insanidade política que vivemos no Brasil. Esta é uma das razões pelas quais a forma principal da performance é a de uma alucinação histórica”, diz Caccuri.

A artista faz uso de uma peça composta por ela mesma em um grande órgão catedrático, desenhos, imagens históricas, vídeos, sons e sua própria voz para contar essa história semi-ficcional. Vivian é conhecida por executar trabalhos em que cria relações entre a música, espaço público, arquiteturas reais e virtuais, o corpo e a performatividade por meio de objetos, instalações e performances.

Continua após a publicidade
Publicidade