CASACOR SP 2017: Soluções sustentáveis da Casa de Vidro Renault

Boas ideias para o meio ambiente englobam o projeto do arquiteto Alexandre Dal Fabbro na mostra paulista

Por Marianna Rodrigues Atualizado em 30 jan 2018, 17h34 - Publicado em 20 set 2017, 15h17
Renato Navarro/CASACOR

O investimento em alternativas sustentáveis é uma das premissas do arquiteto Alexandre Dal Fabbro. A preocupação com o futuro e a necessidade de criar projetos que contribuam para a preservação ambiental são valores levados a sério pelo profissional, que costuma apostar em trabalhos atemporais e funcionais com alta durabilidade, reduzindo assim a necessidade de reformas e adaptações que resultariam em impactos e resíduos. “Vivemos uma realidade em que devemos pensar como será o mundo daqui a trinta anos, pois os recursos naturais se esgotam”, explica Dal Fabbro.

Reprodução/CASACOR

Na hora de elaborar o ambiente da CASACOR São Paulo 2017, não foi diferente. O profissional levou a sustentabilidade para todas as esferas da Casa de Vidro Renault, usando estruturas reutilizáveis, recursos que permitiam luz e ventilação naturais, materiais que geram menos resíduos, entre outras soluções.

Reprodução/CASACOR

A casa foi criada do zero a partir de uma tática de montagem simples e prática que usa estruturas metálicas leves, que podem ser facilmente desmontadas e reutilizadas. “Desde o início, seguindo as orientações da Inovatech, buscamos usar um método construtivo rápido e eficiente, que pudesse ter seus elementos reaproveitados após o fim da mostra”, conta o arquiteto. A estrutura revestida com panos de vidro permitia a entrada de luz natural durante o dia e os eixos estrategicamente posicionadas facilitavam o fluxo da ventilação, dispensado o uso de equipamentos para a climatização. À noite, o ambiente era iluminado totalmente por lâmpadas em LED, contribuindo para o uso consciente da energia elétrica.

Renato Navarro/CASACOR

Para respeitar as exigências de preservação do Jockey Club, tombado pelo patrimônio histórico desde 2010, Dal Fabbro optou pelo piso elevado, que, além de não danificar o revestimento original em pedra portuguesa, também facilitava a desmontagem e reutilização do material após o termino da mostra. A escolha dos pisos também levou em conta o impacto ambiental. O profissional optou pelo engenheirado de madeira Hakwood, formado por uma fina capa de madeira maciça aliada a um compensado de madeira de reflorestamento – que evita o uso desmedido da matéria prima nobre e ainda é mais resistente a intempéries -, e pelo aglomerado cimentício, que aproveita sobras de outras obras na composição.

 

A Casa de Vidro, de Alexandre Dal Fabbro, na CASACOR SP 2017 é uma boa prática de habitação sustentável. Usando uma tática de montagem e desmontagem simples e prática, como um “lego”, o método construtivo se destaca por ser reutilizável. O espaço ainda prioriza a entrada de luz e ventilação natural. Renato Navarro/CASACOR

Após a desmontagem do ambiente, com o fim da CASACOR, boa parte dos materiais foram reaproveitados, incluindo a estrutura metálica, os vidros, pisos, móveis, cortinas, luminárias e até os jardins. As principais exceções foram as paredes de drywall, as bases de alvenaria e concreto para os pisos elevado, e uma pequena parte do piso da área externa que teve que ser assentado e não pode ser reutilizado.

No vídeo abaixo, você confere um time-lapse da montagem da Casa de Vidro Renault!

 

Continua após a publicidade
Publicidade