IRIS+: A nova inteligência artificial do Museu do Amanhã

A partir do dia 15, os visitantes podem interagir com a IRIS+, projeto em conjunto com a IBM Watson. Saiba mais na matéria abaixo:

Por Ana Carolina Harada - 13 dez 2017, 15h38
Guilherme Leporace/CASACOR

O Museu do Amanhã, inaugurado em 2015, tornou-se um marco do turismo brasileiro, recebendo, só em 2017, mais de 1,1 milhões de pessoas. Para comemorar os dois anos de existência, o museu dará mais um passo em direção ao futuro com a IRIS+, um projeto de inteligência artificial desenvolvido com a IBM Watson, que receberá os visitantes a partir da sexta-feira, dia 15.

O objetivo da IRIS+ é estimular a consciência social, bem como a responsabilidade ecológica e o papel individual no futuro por meio de perguntas. No início do trajeto, cada visitante receberá um cartão da assistente virtual que registrará os dados da pessoa e funcionará como chave para as experiências interativas da Exposição Principal. Ao final do percurso, a IRIS ganha voz e fala diretamente com o público. “Para nós, o amanhã é hoje e hoje é o lugar da ação. Esse chamamento inclui muitas propostas que vão da sustentabilidade do planeta à forma como convivemos uns com os outros” explica Ricardo Piquet, diretor-presidente do Museu.

Guilherme Leporace/CASACOR

Em 2018, o Museu do Amanhã pretende organizar atividades de internacionalização com 21 parcerias firmadas com museus e intuições de países estrangeiros, dentre eles o Museum of Tomorrow International (MoTi) da Holanda, o Google Cultural Institute, o Science Museum e o DutchCulture, Shenzhen Museum. Além disso, atividades voltadas para questões hídricas e segurança alimentar no Brasil estão planejadas.

Guilherme Leporace/CASACOR

 

Continua após a publicidade
Publicidade