CASA COR Minas terá espaço multiuso para apresentações artísticas

O ambiente portátil será espaço para shows, espetáculos de teatro, dança, circo, bate-papos, palestras, lançamentos, e eventos diversos da CASA COR Minas

Por Alex Alcantara Atualizado em 26 jul 2018, 12h28 - Publicado em 5 jul 2016, 17h01

Equipe Teatro Casa Cor Minas - Thiago Bandeira de Mello, Pedro Pederneiras, Gabriela Junqueira, Valéria Junqueira e Filipe Pederneiras - Crédito Pedro Gontijo

Ao aceitar participar da CASA COR Minas Gerais 2016, a Designer de Interiores Valéria Junqueira, convidou sua filha bailarina Gabriela Junqueira para desenvolverem juntas um projeto que fosse especial para ambas. Pautado nisso, mãe e filha decidiram criar um espaço que relacionasse as duas profissiões. Para esse fetio, elas ainda convidaram o marido de Gabriela, Pedro Pederneiras, engenheiro e Diretor técnico do Grupo Corpo, que Gabriela faz parte. Além dele, Filipe Pederneiras, o filho, com seu sósio Thiago Bandeira de Mello, fecharam a parceria do ambiente.

Teatro Multiuso - perspectiva externa - Crédito Haiko Cirne Sinnema

Toda essa grande união resultará em um espaço multiuso e industrial, voltado para apresentações artísticas como shows, espetáculos de teatro, dança, circo, bate-papos, palestras, lançamentos, e eventos diversos da CASA COR Minas.

Teatro Multiuso - perspectiva interna - Crédito Haiko Cirne Sinnema

“Li que este ano o evento teria uma área construída e que a programação cultural será intensa. Na mesma hora pensei: porque não apresentamos a proposta de construir um espaço multiuso, capaz de abrigar todas as manifestações artísticas e ainda possibilite variadas formas de utilização?”, comentou Gabriela.

A ideia é de desenvolver um teatro itinerante, de fácil montagem e reprodução. O espaço terá 16 m X 6 m de área, em uma estrutura de módulos de aço, facilitando a montagem e a execução de um projeto semelhante em qualquer outro lugar. Trata-se de uma caixa de 6 m de altura, em estrutura metálica, formada por várias treliças, dentro de um conceito industrial, com uma cobertura de telha metálica termoacústica. Será uma espécie de teatro portátil.

Continua após a publicidade

OCUPAÇÃO 02 - Crédito Haiko Cirne Sinnema

“Pensado para ser feito com a lógica estrutural quase que industrial mesmo, com tubos industriais mecânicos, a primeira coisa que a gente pensou é que queríamos fazer um espaço vazio, o mais versátil possível, e que, ao mesmo tempo, chamasse atenção do lado de fora, porque sua proporção é completamente diferente de outros espaços que se costuma ter na CASA COR”, explica Filipe.

OCUPAÇÃO 09 - Crédito Haiko Cirne Sinnema

Ainda pensando nesse universo cênico, haverá também um camarim, ambiente que ficará localizado em um volume atrás do teatro. “Como será parte integrante da mostra, pensamos em criar uma espécie de camarim dos sonhos, com o conforto ideal para o artista”, explica Valéria. Ele terá acesso tanto por dentro como por fora do teatro. Um painel irá separá-lo da parte interna. O camarim também contará com um figurino exclusivo, criado especialmente para a ocasião por Gabriela.

OCUPAÇÃO 10 - Crédito Haiko Cirne Sinnema

A iluminação cênica será feita pela Tekhnê, especializada em iluminação para teatro. “Serão usadas pequenas caixas com dimmers. Em vez de eu ter que levar cabo de energia para os pontos que eu quiser, coloco a caixinha diretamente no grid e só levo o cabo de sinal. Ou seja, haverá uma economia muito grande de cabos, facilitando a operação. É muito mais simples”, comenta Pedro.

A versatilidade da plateia também será enorme. Feita com praticáveis, plataformas metálicas de 1×2 m, ela tem altura regulável que pode ser levantada de 20 em 20 cm, até atingir 1 m. Com capacidade para abrigar cerca de 60 pessoas sentadas, haverá também espaço para cadeiras, de acordo com a configuração do espaço.

A mostra mineira está prevista para ocorrer do dia 30 de agosto a 4 de outubro de 2016, na Alameda das Latâneas, 30, esquina de Av. Otacílio Negrão de Lima – Pampulha.

Continua após a publicidade
Publicidade