Arte

Ricardo Bello Dias assina instalação inspirada em Italo Calvino

No espaço que antecede o percurso pela mostra, uma instalação do arquiteto Ricardo Bello Dias resgata os ensinamentos do escritor Italo Calvino

por Marianne Wenzel Atualizado em 1 ago 2017, 14h42 - Publicado em
28 jul 2017
18h16

No espaço que antecede o percurso da CASACOR São Paulo 2017, uma instalação do arquiteto Ricardo Bello Dias resgata os ensinamentos do escritor Italo Calvino.

<span>–</span>

Atrás do painel de vidro que vai do chão ao teto, há uma escada. A proteção deixa claro: não se trata de um convite a subir. Ao menos não literal- mente. Suspensas por cabos de aço, as pranchas de madeira que com- põem as pisadas parecem flutuar, e, graças a um truque de perspectiva os degraus mais altos vão ficando cada vez menores , quem olha a instalação de frente tem a sensação de que ela conduz ao infinito.

<span>–</span>

Essa visão um tanto onírica foi uma das primeiras que se oferecia ao visitante da mostra. Se a pressa de chegar à sequência de ambientes o impedisse de deter-se um pouco por ali, haveria uma segunda chance. Afinal, a partir desse lugar, o percurso pela mostra se dividia em dois, e qualquer que fosse o caminho escolhido, ele conduziria de volta a esse ponto, concebido como uma pausa entre tantas referências visuais e estéticas, um chamado à reflexão.

<span>–</span>

O arquiteto Ricardo Bello Dias, autor do espaço, é um pernambucano radicado na Itália desde 1992. Lá, complementou sua formação no Politécnico de Milão, trabalhou com Piero Lissoni e, há 15 anos, dedica-se a seu estúdio, uma agência que expande as fronteiras da arquitetura para áreas como branding e desenvolvimento de produtos.

<span>–</span>

Ao convite para projetar este local estratégico, ele respondeu com uma chave de conceitos emprestados de Italo Calvino (1923-1985), considerado um dos mais importantes escritores italianos do século 20. “Em suas Seis Propostas para o Próximo Milênio, Calvino reflete sobre o fazer literário. Mas os ensinamentos também se aplicam à arquitetura e a qualquer outra área do conhecimento. Procurei oferecer essas ferramentas de interpretação aos visitantes”, explica Ricardo. Na introdução para as Seis Propostas, Calvino lembra, inclusive, que é “típico da literatura italiana compreender num único contexto cultural to- das as atividades artísticas”.

As chamadas lições americanas, que Calvino preparou para dar uma série de conferências em Harvard entre 1985 e 1986, baseiam-se em seis qualidades eleitas por ele por serem indispensáveis à boa escrita: Leveza, Rapidez, Exatidão, Visibilidade, Multiplicidade e Consistência. Embora o autor nunca tenha apresentado o material, pois faleceu em 1985, antes do início do ano letivo americano, os textos deram origem ao volume póstumo Seis Propostas para o Próximo Milênio (publicado no Brasil pela Companhia das Letras) – no qual apenas falta a Consistência, que ele não chegou a redigir.“Reli o livro recentemente e percebi como ele ainda é atual. Está falando de literatura, mas podemos encarar como conselhos para qualquer profissão, para a vida”, reflete Ricardo.

Calvino reflete sobre o fazer literário. Mas os ensinamentos também se aplicam à arquitetura e a qualquer outra área do conhecimento.

Ricardo Bello Dias, Arquiteto
<span>–</span>
Reprodução/

A escada, elemento caro à arquitetura por sua função de ligar dois planos e por seu potencial escultórico,servirá como suporte para projeções de imagens e textos relacionados às lições. A subida, aqui, pode até estar impedida pelo painel de vidro. No entanto, metaforicamente, a ascensão é livre.

<span>–</span>
Rafael Renzo/CASACOR