SP-Arte: Hugo França cria peças a partir de canoa indígena e de pau-brasil

As peças traduzem o trabalho de muitos anos do designer de trazer a madeira de volta ao convívio das pessoas

Por Redação Atualizado em 17 fev 2020, 16h39 - Publicado em 1 abr 2019, 15h38
HUGO FRANÇA – Homenagem ao pau-brasil Divulgação/CASACOR

As peças de destaque no espaço de Hugo França na 15ª edição da SP-Arte traduzem o trabalho de muitos anos do designer de trazer a madeira de volta ao convívio das pessoas, com seu papel ressignificado.

Foi a partir de uma busca por raízes de pequi-vinagreiro, matéria-prima já em extinção e presente na maior parte de suas criações, que Hugo França e sua equipe encontraram, ao acaso, uma raiz de pau-brasil. Escondida no solo arenoso de uma vegetação de Muçununga, a rara madeira, símbolo da primeira prática comercial do Brasil-Colônia, ganhou nova vida em forma de escultura, tendo seu momento de reestreia escolhido a dedo: o maior evento de arte e design da América Latina.

Hugo França – Cadeiras Marimbá e Maitá Divulgação/CASACOR

Ao lado da escultura, outras duas peças se destacam no espaço, não pelo tamanho, mas pela história que carregam: as cadeiras Maitá e Marimbá, feitas a partir de uma única canoa de pequi-vinagreiro, produzida entre 100 e 150 anos atrás, calcula o designer. Encontrada na roça, na casa de uma família Pataxó, de tão velha, já não era mais usada para navegar, mas sim para guardar aipim na farinheira da família. Hugo a comprou há 15 anos e, agora, a apresenta em primeira mão na SP-Arte.

“As cadeiras feitas de canoa remetem ao começo de tudo e também a um marco da minha carreira. Minha produção começou em Trancoso, justamente pela convivência com os índios Pataxó, que faziam suas próprias canoas e ferramentas com a madeira da floresta. Se tornaram símbolo do meu trabalho e também uma das peças mais valorizadas nos leilões internacionais de que participo”, completa Hugo França.

Mais de 10 peças completam com grandiosidade o espaço de 60 , localizado no setor de design da SP-Arte 2019.

Serviço 15ª edição da SP-Arte

Quando?

De 4 a 6 de abril – quinta-feira a sábado, das 13h às 21h.

Continua após a publicidade

7 de abril – domingo, de 11h às 19h.

Onde?

Pavilhão da Bienal – Parque Ibirapuera, Portão 3 – São Paulo, Brasil

Quanto?

Entrada geral: R$50

Meia promocional: R$20*

*estudantes, portadores de deficiência e idosos com mais de sessenta anos [necessária a apresentação de documento]. O Vale-Cultura poderá ser utilizado para o abatimento de 50% do valor do ingresso. Crianças de até dez anos não pagam entrada.

Continua após a publicidade
Publicidade