Ernesto Neto leva a Amazônia para estação de Zurique, na Suiça

O artista se une a uma comunidade indígena para apresentar a obra que coloca o espectador a uma reflexão sobre a sustentabilidade

Por Alex Alcantara Atualizado em 18 fev 2020, 07h46 - Publicado em 10 jul 2018, 15h27
Mark Niedermann/CASACOR

O artista contemporâneo Ernesto Neto leva um pouco da Floresta Amazônica para o centro da estação de Zurique, na Suiça. Batizada de Gaia Mother Tree (na tradução livre, seria a Árvore-mãe Gaia), a gigantesca instalação surpreende o mais de meio milhão de pessoas que atravessam o local diariamente. A obra convida os passantes para um momento de contemplação e vivência, além também de propor um instante de reflexão sobre a sustentabilidade.

Mark Niedermann/CASACOR

A obra, de quase 20 metros de comprimento, faz referência a uma grande árvore, composta por uma estrutura transparente feita de tiras de algodão coloridas, atadas à mão, que se estende até o teto do saguão do local. “A ideia é retardar o nosso tempo, para termos um momento para respirar e sentir a vida dentro de nós”, comenta Ernesto.

Mark Niedermann/CASACOR

A parte superior da obra cobre o teto da estação, enquanto na base da árvore, os visitantes podem encontrar um espaço para ficar e descansar nos assentos dispostos em círculo. Para completar a experiência, elementos em forma de gota pendurados nos galhos são preenchidos com especiarias aromáticas e folhas secas.

A base da instalação também foi criada para a realização de uma gama de eventos: reflexões sobre o trabalho e conferências, workshops, muita música para adultos e crianças e uma série de meditações.

Mark Niedermann/CASACOR

A Gaia Mother Tree foi criada em cooperação com os huni kuin, uma comunidade indígena que vive na região amazônica, perto da fronteira com o Peru e patrocinada pelFundação Beyeler. A instalação fica em exposição ao público até o dia 29 de julho!

Continua após a publicidade
Publicidade