Janelas abertas: veja os projetos para comunidades do Janelas CASACOR SP

Galeria Fazendinhando, Caixa de Histórias, Cozinha Comunitária da Freguesia do Ó e Ateliê Sukha ficam como espaços permanentes na cidade

Por Ana Carolina Harada Atualizado em 14 dez 2020, 20h46 - Publicado em 14 dez 2020, 16h27
Montagem de 4 imagens: bancada da Cozinha comunitária, mesa e cadeira da Caixa de Histórias, obras de arte na Galeria Fazendinhando, mesa e pufes do Atelier
Reprodução/CASACOR

Um dos grandes pontos de debate do inédito projeto da CASACOR, o Janelas CASACOR, foi a responsabilidade social. Em um período de tantas dificuldades, é fundamental, mais do que nunca, olhar para o outro com empatia. Por acreditar no potencial da arquitetura como instrumento de transformação, quatro contêineres elaborados para a exibição em São Paulo ficarão permanentemente para a cidade, servindo como pontos comunitários. Conheça cada um deles abaixo!

Galeria semente

 

Vista externa da Galeria. Totens coloridos com plantas. Contêiner com obras de arte expostas no centro
Leka Mendes/CASACOR

A Galeria Fazendinhado é um projeto que vai além das paredes de seu contêiner, ela é uma semente da mudança. Assinado Ester Carro, Veronica Vacaro e Plantar Ideias, e instalado no Jardim Colombo, o espaço foi pensado para abrigar exposições, workshops e palestras. A primeira mostra é uma coleção de peças assinadas por mulheres artistas da comunidade.

Detalhe das obras de arte expostas em paineis suspensos
Leka Mendes/CASACOR

Por dentro, a Galeria conta com cinco módulos rotativos suspensos, que permitem várias disposições. Essa versatilidade faz com que o espaço consiga receber desde performances até filmes e mostras. Do lado de fora, o paisagismo no teto e nos totens coloridos cria um espaço social público a ser utilizado pelos moradores.

Artistas e arquitetos posam na frente da Galeria Fazendinhando
Kamila Bianca/CASACOR

“A Galeria vem para trazer esperança aos moradores, para mostrar que eles são capazes, com esforço e dedicação, de gerar mudança. Todos podem ser agentes transformadores. Todo mundo pode exercer seu potencial enquanto agente transformador”, explica Ester.

Muitas histórias por vir

 

Home office em madeira com estante em ziguezague ao fundo. Poltrona e mesa de centro à direita e mesa e cadeira de trabalho à esquerda
Salvador Cordaro/CASACOR

O arquiteto Gustavo Martins criou um ambiente duplo: seu primeiro momento é como um aconchegante home-office, mas após o final do Janelas CASACOR, ele se transformará em uma Biblioteca na Vila Andrade – Associação Morumbi de Integração Social.

Continua após a publicidade
À esquerda mesa em madeira com cadeira. À direita, mesa de centro e poltrona com quadro pendurado
Salvador Cordaro/CASACOR

Com uma grande estante em ziguezague de madeira, a Caixa de Histórias possui móveis confortáveis e uma atmosfera convidativa para adultos que estejam trabalhando de casa. Seu destino final, porém, é muito longe do trabalho. Ele levará “histórias do mundo para crianças, em meio a mesas e pufes coloridos”.

Para acomodar as novas atividades algumas mudanças serão feitas. O tapete será removido, deixando o piso mais livre e serão incluídas peças de mobiliário mais alegres e coloridas. No dia da chegada da biblioteca à comunidade, haverá um evento especial em que o artista Hélio Degasperi fará grafites nas paredes externas.

Uma cozinha para muitas mãos

 

Contêiner da cozinha comunitária de frente, com deck, em primeiro plano; da esquerda para a direita: geladeira, bancada e torre de eletros ao fundo.
Salvador Cordaro/CASACOR

Muitos profissionais uniram esforços para criar a Cozinha Comunitária Alimentação Saudável Sacolão Freguesia do Ó. O projeto foi assinado pela FAU+D Acolhe, da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), com coordenação do arquiteto Rodrigo Loeb.

Parte interna da cozinha comunitária, com a bancada em tom de ferrugem, com um cooktop e torneira. Ao fundo, uma cadeira de praia com listras azuis e brancas. No teto, peças hexagonais e na parede marrom avermelhado. Do lado de fora, atrás do vidro do conteiner, um deck de piso de madeira, e cobertura feira com estrutura de bambu.
Salvador Cordaro/CASACOR

O ambiente será doado ao Centro Comunitário Tiro ao Pombo para a promoção de cursos, formações e eventos. Além da parte interna, a cozinha conta com uma área externa coberta por estrutura de bambu, executada pela Gera Brasil, e dois canteiros laterais com jardins e horta.

Deixar a criatividade livre

 

Cuba em primeiro plano com bancada e pufes ao fundo
Divulgação/CASACOR

Estimular o olhar artístico no cotidiano foi o que inspirou o arquiteto Gustavo Neves a criar o Ateliê Sukha. Este espaço criativo foi pensado para ser um local de atividades de artes para crianças e adolescentes na Cidade Tiradentes. O contêiner fica no jardim do Centro Cultural do Hip Hop e seu nome “Sukha”, significa em sânscrito “estar em paz consigo mesmo e estar feliz no tempo presente”.

Imagem externa do contêiner, com banco e pufes à vista
Divulgação/CASACOR

A decoração contida tem um propósito: ela é versátil e permite que o ambiente abrigue vários tipos de trabalhos. Os armários são embutidos e a paleta de cores é composta por tonalidades minerais, que remetem à essência.

Continua após a publicidade
Publicidade