CASACOR SP 2018: Juliana Pippi propõe uma viagem no tempo com a Sala TOKI

Inspirada pelo tempo, Juliana marca sua estreia na mostra paulista com uma sala de 40 m² onde quem manda é o "senhor do tempo"

Por Alex Alcantara Atualizado em 18 fev 2020, 07h47 - Publicado em 25 jun 2018, 10h45
Denilson Machado/CASACOR

Como você imagina e concretiza o tempo? Na Sala TOKI, de 40 m², o espaço que marca a estreia de Juliana Pippi na CASACOR São Paulo, a profissional traz a sua concepção de passado, presente e futuro, em uma atmosfera tranquila e aconchegante, onde o azul é marcante e suave.

Todo o layout é voltado para a janela, para descansar a vista e direcionar o olhar para o mundo – e para o tempo – que nos espera

Juliana Pippi

A arquiteta coloca o visitante em reflexão sobre as diversas faces e questões que envolvem o tempo, inspirada em versos de renomados personagens da literatura e música brasileira:

“Será que a cabeça tem o mesmo tempo que a mão? O tempo do pensamento, da ação?” – versos de Arnaldo Antunes;

“És um senhor tão bonito/Quanto a cara do meu filho/ Tempo, tempo, tempo, tempo…/ És um dos deuses mais lindos.” –  versos de Caetano Veloso em sua “Oração ao Tempo”.

“Peço-te o prazer legítimo e o movimento preciso, quando o tempo for propício/Apenas contigo e comigo/Tempo, tempo, tempo, tempo”. – verso de Caetano Veloso.

Denilson Machado/CASACOR

Nesta atmosfera onírica, Juliana traduz toda sua inspiração na escolha das artes, do design, do mobiliário, que são, em sua maioria, feitas artesanalmente ou de forma muito pessoal. As paredes, por exemplo, harmonizam-se entre a composição da cerâmica assinada pela artista Hideko Honma, as áreas de lona crua, e os encapsulamentos com telas bem fininhas em performance quase de papel-arroz, vendendo a ideia de flutuação desde o piso em mood sépia até alcançar o teto em carvalho estonado, levemente rosado, de onde pende uma escultura deslumbrante da artista Clara Fernandes.

Denilson Machado/CASACOR

Nessa mistura fina, a arte também abarca saberes atemporais. As meticulosas casinhas de mármore do escultor Dan Fialdini, nas versões suspensa e de mesa, arrematam o cenário de fotografias (para Juliana, “a arte do tempo congelado”) assinadas por Denilson Machado, Kiolo e Felipe Morozini, além do trabalho de Walmor Corrêa.

Denilson Machado/CASACOR

O destaque fica por conta do mobiliário criado especialmente para o ambiente: a luminária Passarinho, da designer Ana Neute que percorre quase todo o teto, o tapete de tear, desenhado pela Juliana, além do Slow Design presente no delicado trabalho de Ines Schertel. Tudo em uma metamorfose de formas e volumes.

SERVIÇO CASACOR SÃO PAULO 2018

QUANDO?

De 22 de maio e 29 de julho

Terça a sábado, das 12h às 21h

Continua após a publicidade

Domingo, das 12h às 20h

ONDE?

Jockey Club de São Paulo – Avenida Lineu de Paula Machado, 875

QUANTO?

De terça a quinta-feira:

Ingresso inteiro: R$ 60

Meia entrada: R$ 30

De sexta a domingo e feriados: 

Ingresso inteiro: R$ 76

Meia entrada: R$ 38

Passaporte Único: R$ 180

Clique aqui e adquira o seu ingresso!

Valet: R$ 35

Continua após a publicidade
Publicidade